PUBLICIDADE
Topo

Líder do Irã defende chanceler moderado após renúncia inesperada

26/02/2019 11h45

Por Parisa Hafezi e Babak Dehghanpisheh

DUBAI/GENEBRA (Reuters) - O presidente do Irã, Hassan Rouhani, não quis aceitar a renúncia de seu ministro das Relações Exteriores nesta terça-feira e defendeu o aliado moderado, visado há tempos por radicais em intrigas internas a respeito do acordo nuclear firmado com o Ocidente em 2015.

O chanceler Mohammed Javad Zarif, diplomata veterano que estudou nos Estados Unidos e ajudou a arquitetar o pacto que limitou o programa nuclear iraniano em troca da suspensão de sanções, não deu motivos para sua decisão ao anunciá-la na segunda-feira no Instagram.

Mas seu gesto explicitou o cisma entre a linha-dura do país e seus moderados, na prática induzindo o líder supremo, aiatolá Ali Khamenei, a escolher um lado.

Um aliado de Zarif disse que sua renúncia se deveu às críticas ao acordo nuclear, cada vez mais questionado no Irã desde que os EUA o abandonaram no ano passado.

"Havia reuniões a portas fechadas todas as semanas, nas quais autoridades de alto escalão o bombardeavam com perguntas sobre o acordo e o que acontecerá a seguir etc", disse o aliado à Reuters sob condição de anonimato. "Ele e seu chefe (Rouhani) estavam sujeitos a muita pressão."

Desde que Washington se desligou do pacto e readotou sanções no ano passado, Rouhani tem tido que explicar por que sua nação continuou a obedecer suas restrições sem colher nenhum dos benefícios econômicos previstos.

Apesar de ter anunciado sua renúncia, Zarif ainda não a havia entregue a Rouhani até a tarde desta terça-feira, e o presidente tampouco a havia aceitado.

A chancelaria iraniana reiterou que Rouhani não aceitou a renúncia de Zarif, refutando reportagens.

Em um desdobramento aparentemente relacionado, o porta-voz do Ministério do Petróleo disse que o titular da pasta, Bijan Zanganeh, não está saindo, de acordo com a Agência de Notícias dos Estudantes Iranianos (Isna). Como Zarif, Zanganeh é visto como um moderado.

"Todas as interpretações e análises sobre as razões por trás da renúncia do ministro das Relações Exteriores Mohammad Javad Zarif, para além do que ele postou em sua conta de Instagram, não são precisas e, como o chefe de gabinete do presidente do Irã disse hoje, a renúncia não foi aceita", disse o porta-voz Bahram Qasemi, segundo a agência de notícias Fars.