Topo

Marina Silva classifica incêndios na Amazônia como "crime contra a humanidade"

23/08/2019 11h38

Por Anastasia Moloney

BOGOTÁ (Thomson Reuters Foundation) - A ex-ministra do Meio Ambiente e candidata presidencial Marina Silva classificou os incêndios florestais que devastam a Amazônia como um "crime contra a humanidade" na quinta-feira, e disse que as diretrizes atuais atiçam as chamas.

Incêndios florestais em número recorde ardem há semanas na Amazônia brasileira, a maior floresta tropical do mundo, cuja proteção cientistas dizem ser crucial no combate à mudança climática.

Os incêndios quase dobraram neste ano na comparação com o mesmo período de 2018, segundo autoridades do Brasil, o que provocou uma revolta global.

"O mundo inteiro está assistindo uma situação que está fora do controle, em termos de desmatamento e incêndios na Amazônia brasileira", disse Marina em uma conferência em Bogotá.

Ela e outros ambientalistas atribuíram a situação da Amazônia a cortes feitos pelo presidente Jair Bolsonaro em programas ambientais.

"É uma situação que vejo como um crime contra a pátria, um crime contra a humanidade", disse a ex-senadora.

"Tivemos situações difíceis ao longo da história do Brasil, mas esta é a primeira vez em que temos uma situação que foi prática e oficialmente alimentada pelo governo", acrescentou.

Bolsonaro criticou as multas ambientais para agricultores e pediu que reservas indígenas e outras áreas protegidas sejam abertas ao desenvolvimento.

Procuradores federais do Pará disseram que investigarão a disparada do desmatamento e dos incêndios florestais para determinar se houve uma redução da fiscalização e da aplicação de proteções ambientais.

Ambientalistas como Marina, que foi ministra no governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, dizem que a iniciativa de Bolsonaro de abrir a Amazônia a algumas atividades econômicas está estimulando a indústria, os madeireiros clandestinos e os fazendeiros a derrubar árvores e explorar recursos naturais.

"O governo Bolsonaro destruiu todas as políticas ambientais que criamos ao longo de décadas", disse Marina, que nasceu em uma comunidade de seringueiros da Amazônia.

Mais Notícias