Topo

Operação Lava Jato


Fachin cobrou Raquel Dodge por demora em investigações da Lava Jato no STF

Lucio Tavora - 4.dez.2018/Agência Tempo/Estadão Conteúdo
Imagem: Lucio Tavora - 4.dez.2018/Agência Tempo/Estadão Conteúdo

Ricardo Brito

Em Brasília

17/09/2019 13h11

O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal, cobrou a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, sobre o andamento de investigações e diligências contra autoridades envolvidas na operação Lava Jato, em ofício obtido pela Reuters encaminhado no mês passado à chefe do Ministério Público Federal --que deixa o cargo nesta terça-feira.

Fachin, relator da Lava Jato no STF, lista sete inquéritos, quatro ações cautelares e três petições que se encontravam na Procuradoria-Geral da República "no aguardo de diligências e respectivos trabalhos, em lapso temporal superior ao prazo". Isto é, demoraram mais do que o devido para que providências fossem adotadas, como diligências complementares, oferecer denúncia ou requerer arquivamento.

Nos casos listados, constavam inquéritos da Lava Jato contra os senadores do MDB Renan Calheiros (AL) e Jader Barbalho, do ex-presidente do Senado Eunício Oliveira (MDB-CE) --esse último foi enviado por Fachin à PGR ainda em março de 2018.

Dodge não chegou a se colocar perante a categoria para disputar uma vaga na lista tríplice que seria enviada ao presidente Jair Bolsonaro, mas deixou claro que tinha interesse em continuar no cargo. No final, Bolsonaro ignorou a lista tríplice e escolheu o subprocurador-geral da República Augusto Aras. Dodge concede nesta tarde entrevista coletiva na qual fará um balanço de sua gestão

O comando da PGR ficará interinamente com o subprocurador-geral da República Alcides Martins até que o Senado sabatine e aprove a indicação de Aras. Senadores têm dito que Aras —que tem mandado sinais em favor da classe política— deverá ter aprovação fácil.

Mais Operação Lava Jato