PUBLICIDADE
Topo

Caso Marielle


Oposição pedirá proteção a porteiro de condomínio de Bolsonaro

Senador Randolfe Rodrigues, da Rede Sustentabilidade  - Diego Bresani/UOL
Senador Randolfe Rodrigues, da Rede Sustentabilidade Imagem: Diego Bresani/UOL

Eduardo Simões

30/10/2019 13h19

A Rede Sustentabilidade pretende pedir que o porteiro do condomínio onde o presidente Jair Bolsonaro mora no Rio de Janeiro seja incluído em um programa de proteção a testemunhas e quer acompanhar as investigações do assassinato da vereadora carioca Marielle Franco, ocorrido em março do ano passado.

O anúncio dessas medidas, feito no Twitter pelo senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), acontece um dia depois de o Jornal Nacional, da TV Globo, noticiar que o porteiro disse em depoimento que Élcio Queiroz, um dos acusados de envolvimento no assassinato de Marielle, entrou no condomínio alegando que iria à casa de Bolsonaro no mesmo dia do assassinato.

Queiroz, no entanto, teria ido à casa de Ronnie Lessa, outro acusado do assassinato da vereadora e que mora no mesmo condomínio de Bolsonaro. Sua entrada no condomínio teria sido autorizada por uma pessoa que o porteiro identificou como "seu Jair", de acordo com o depoimento. Registros da Câmara e imagens, no entanto, mostram que Bolsonaro estava no Congresso naquele dia.

"Nós da Rede Sustentabilidade pediremos que o porteiro do condomínio onde Jair Bolsonaro morava seja incluído em algum programa de proteção. O caso Marielle precisa ser elucidado de forma minuciosa garantindo, inclusive, a proteção das testemunhas", escreveu Randolfe na rede social.

"Iremos propor comissão especial para acompanhar as investigações do caso Marielle. Também pediremos audiência com a ministra relatora do STJ responsável pela federalização do caso e solicitaremos audiência com o PGR para pedir acompanhamento de perto das investigações", afirmou.

Partidos de oposição a Bolsonaro na Câmara dos Deputados também convocaram uma entrevista coletiva para a tarde desta quarta-feira sobre o caso Marielle.

Em transmissão ao vivo nas redes sociais na madrugada desta quarta em Riad, na Arábia Saudita, onde está em viagem oficial, Bolsonaro, bastante exaltado, atacou a TV Globo, o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), a quem acusou de vazar as investigações para e emissora, e negou qualquer participação no assassinato da vereadora, que era filiada ao PSOL.

(Por Eduardo Simões, em São Paulo)

Ouça o podcast "Baixo Clero", com análises políticas de blogueiros do UOL. Os podcasts do UOL estão disponíveis em uol.com.br/podcasts, no Spotify, Apple Podcasts, Google Podcasts e outras plataformas de áudio.

Caso Marielle