Topo

Forças de segurança do Chile atacaram manifestantes para "puni-los", diz Anistia Internacional

Aislinn Laing

Santiago

21/11/2019 14h32

Com aval de seus comandantes, policiais e soldados chilenos realizaram ataques "generalizados" contra pessoas que protestavam contra a desigualdade com a intenção de "puni-las e feri-las", afirmou a Anistia Internacional em um relatório publicado nesta quinta-feira.

Erika Guevara Rosas, diretora do grupo nas Américas, disse à Reuters que sua equipe investigativa, enviada ao país para analisar alegações de força excessiva e violações de direitos humanos cometidas pelas forças de segurança, encontrou indícios de abusos que não costumam ser vistos fora de nações latino-americanas conturbadas, como Venezuela, Nicarágua e Honduras.

Ela disse que a equipe ficou "chocada" por encontrar tais indícios no Chile, até recentemente considerado um dos países mais democráticos e estáveis da região.

A Anistia disse ter confirmado cinco mortes pelas mãos das forças de segurança, além de indícios críveis de manifestantes atingidos com munição letal, abusados sexualmente, torturados, espancados e atropelados. Houve um padrão contínuo de abuso que insinua intenção, disse a entidade.

Rosas disse que policiais e militares violaram a lei internacional ao usar munição letal no controle de multidões e seus próprios protocolos no uso liberal de balas de borracha e gás lacrimogêneo.

Um porta-voz da polícia do Chile disse que todas as alegações que foram comunicadas formalmente serão investigadas.

O Exército não respondeu de imediato a um pedido de comentário da Reuters.

Rosas disse que o presidente chileno, Sebastián Piñera, tem responsabilidade por não reconhecer os abusos ou repudiá-los rapidamente. Ela disse que sua afirmação do mês passado de que "estamos em guerra" estimulou a "repressão violenta que temos visto nas ruas".

"Havia uma intenção de punir as pessoas, e isso veio não somente da polícia e dos militares nas ruas, mas também daqueles sob cujo comando estavam", disse.

"Se isso foi uma punição das pessoas que estavam protestando contra políticas de governo, os níveis mais altos do governo, incluindo Piñera, têm responsabilidade pelas violações de direitos humanos."

O gabinete de Piñera não respondeu de imediato a um pedido de comentário.

No domingo, o presidente admitiu que houve "algum" uso excessivo de força, abuso e crime e prometeu que "não haverá impunidade" para policiais e soldados que forem responsabilizados.

Notícias