PUBLICIDADE
Topo

Lava Jato denuncia ex-auxiliar de Yousseff em caso que envolve Camargo Correa

 Waldomiro de Oliveira é um ex-auxiliar integrante do grupo do doleiro Alberto Yousseff (foto) - Alan Marques/Folhapress - (26.out.2015)
Waldomiro de Oliveira é um ex-auxiliar integrante do grupo do doleiro Alberto Yousseff (foto) Imagem: Alan Marques/Folhapress - (26.out.2015)

Ricardo Brito

Em Brasília

12/12/2019 13h47

A força-tarefa da Lava Jato no Ministério Público Federal (MPF) no Paraná ofereceu denúncia contra Waldomiro de Oliveira, um ex-auxiliar integrante do grupo do doleiro Alberto Yousseff, pelo crime de lavagem de dinheiro que tinha como objetivo ocultar propina da empreiteira Camargo Correa em contratos da Petrobras, informou hoje o MPF.

A acusação criminal sustenta que administradores da Camargo Correa pagaram R$ 5,6 milhões em propina ao ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa e ao Partido Progressista, por intermédio de Yousseff e de Waldomiro de Oliveira, com a intenção de beneficiar a empresa e não a contrariasse na execução de contratos da Refinaria de Abreu e Lima, em Pernambuco. Os valores iniciais da obra somavam R$ 4,7 bilhões.

Conforme a denúncia, o pagamento das vantagens indevidas ocorreu por intermédio da realização de operações de lavagem de dinheiro, notadamente o repasse de valores por duas empresas, lastreadas em notas fiscais e contratos ideologicamente falsos.

"Responsabilizar operadores financeiros que contribuem de forma significativa para a ocultação e a manutenção de esquemas de pagamentos de propinas é fundamental para o combate ao crime organizado e à macrocriminalidade. Essa é a vigésima oitava ação penal oferecida pela Lava Jato em Curitiba nesse ano e ainda há muito trabalho pela frente", disse o procurador da República Felipe D'Elia Camargo, integrante da força-tarefa do MPF, em nota.

A Reuters pediu e ainda não obteve comentário da Camargo Correa e da Petrobras a respeito da nova denúncia. A reportagem procura também contato com a defesa de Waldomiro de Oliveira e com o Partido Progressista.

Operação Lava Jato