PUBLICIDADE
Topo

Governadores reagem a Bolsonaro e decidem manter medidas contra coronavírus

Presidente Jair Bolsonaro (sem partido) - Isac Nóbrega/PR
Presidente Jair Bolsonaro (sem partido) Imagem: Isac Nóbrega/PR

Ricardo Brito

25/03/2020 21h05

Os governadores dos 26 Estados brasileiros decidiram, em reunião virtual extraordinária hoje, reagir à forma de atuação do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) no enfrentamento à pandemia do novo coronavírus no país e vão manter medidas mais restritivas de isolamento social para conter o avanço da doença.

O encontro virtual contou com a presença do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que tem se colocado como uma espécie de contraponto de Bolsonaro nessa crise. Apenas o governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), não participou do encontro.

Segundo a assessoria de imprensa do governador de São Paulo, João Doria (PSDB), todos os governadores decidiram seguir as orientações da Organização Mundial de Saúde (OMS) e vão manter o isolamento social. O Estado de São Paulo — o mais populoso do país — decretou uma quarentena que começou a vigorar na terça-feira.

Doria disse que o encontro não tinha nenhum viés político e ideológico, nem ia se transformar em uma "trincheira" contra o governo Bolsonaro. Mas ele destacou que cabe aos representantes dos governos estaduais, os presidentes da Câmara, do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), e do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli, a tarefa de "salvar o Brasil".

O governador do Rio, Wilson Witzel (PSC), defendeu as medidas de isolamento social adotadas e citou o colega de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), que também as defendeu. Aliado desde a época da campanha de Bolsonaro, Caiado, que é médico, decidiu romper com o presidente após o pronunciamento dele na véspera em cadeia nacional de rádio e TV.

Bolsonaro criticou medidas de isolamento social adotadas por governadores e defendeu um relaxamento dessas ações. Ele minimizou a pandemia do coronavírus e ressaltou que medidas restritivas podem prejudicar a economia do país.

Coronavírus