PUBLICIDADE
Topo

Política

Conteúdo publicado há
1 mês

Em outro país isso talvez fosse classificado como genocídio, diz Doria sobre Bolsonaro

Doria é desafeto político de Bolsonaro e apontado como provável candidato à Presidência da República em 2022 - ANTONIO MOLINA/ZIMEL PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO
Doria é desafeto político de Bolsonaro e apontado como provável candidato à Presidência da República em 2022 Imagem: ANTONIO MOLINA/ZIMEL PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

Eduardo Simões

15/01/2021 14h23

O comportamento do presidente Jair Bolsonaro no combate à pandemia de covid-19 talvez fosse considerado genocídio em um outro país, disse hoje o governador do estado de São Paulo, João Doria (PSDB).

Em entrevista coletiva no Palácio dos Bandeirantes, sede do governo paulista, Doria classificou como "inacreditável" declaração dada mais cedo por Bolsonaro de que o governo federal cumpriu com sua parte diante do colapso da saúde pública em Manaus, onde pacientes morreram asfixiados por falta de oxigênio.

"Em outro país isso talvez fosse classificado como genocídio", disse Doria, que antes chegou a se exaltar e bater com o telefone celular no púlpito ao ler uma notícia divulgada pela CNN Brasil de que o Estado do Amazonas estava pedindo a outros Estados que recebam bebês prematuros afetados pela falta de oxigênio no sistema hospitalar de Manaus.

"Gente, é o fim do mundo isso! É o fim do mundo! Para quem é pai, quem é mãe, não tem oxigênio para bebê!", afirmou.

Doria é desafeto político de Bolsonaro e apontado como provável candidato à Presidência da República em 2022, enquanto Bolsonaro, que ataca frequentemente o governador paulista, já anunciou que tentará a reeleição.

Política