PUBLICIDADE
Topo

Ibovespa tem pior desempenho em 11 semanas, com investidor de olho em repique da Covid

15/01/2021 18h36

Por Aluisio Alves

SÃO PAULO (Reuters) - O apetite por ações brasileiras perdeu fôlego nesta semana, com grandes investidores passando a preferir esperar por novos catalisadores após o Ibovespa ter subido mais de 30% em pouco mais de dois meses.

Mesmo o anúncio de um pacote de estímulo econômico de 1,9 trilhão de dólares nos Estados Unidos e o início da vacinação em massa contra Covid-19 em várias partes do mundo não foram argumentos suficientes para sustentar recordes recentes.

O Ibovespa seguiu a tendência global negativa nesta sexta-feira, tombando 2,54%, para 120.348,80 pontos, pressionado sobretudo por realização de lucros em ações de maior liquidez, como de Petrobras, Vale, siderúrgicas e bancos.

No acumulado da semana, o índice teve queda de 3,78%, após a máxima histórica acima de 125 mil pontos na última sexta-feira, marcando o pior desempenho desde a semana terminada em 30 de outubro, quando teve baixa de 7,2%. O giro financeiro desta sessão somou 33,3 bilhões de reais.

Para profissionais do mercado, o movimento errático desta semana, com o Ibovespa alternando fechamentos em alta e baixa desde segunda-feira, pode ser uma indicação da perda de fôlego da valorização baseada puramente em fluxo. Só os estrangeiros trouxeram para o mercado acionário à vista 16,6 bilhões de reais nas primeiras oito sessões do ano.

Segundo Rafael Ribeiro, analista da Clear Corretora, após a confirmação do pacote de estímulo nos EUA e o começo da vacinação contra Covid, as atenções passaram a se voltar para as novas medidas de isolamento em várias partes do mundo, com casos pontuais, como do Brasil, parecendo voltar fugir do controle.

Além disso, a deterioração fiscal do país, ponto que ficou em segundo plano nas últimas semanas, recuperou relevo após o Ibovespa ter batido nos 125 mil pontos.

"Como isso é próximo do que muita gente previa para o final deste ano, alguns começam a se perguntar se a relação de risco e retorno atual justifica continuar comprando ações", disse.

Para a próxima semana, espera-se início de vacinação no Brasil, reunião do Copom, e publicação pelo Banco Central publica do índice de atividade econômica (IBC-Br) referente a novembro.

DESTAQUES

- PETROBRAS, novamente um dos alvos principais de realização de lucros, caiu 4,5%, também na esteira da queda das cotações internacionais do petróleo.

- VALE recuou 4,35%. Assim como com Petrobras, a ação da mineradora foi um dos motores de alta do Ibovespa nos últimos dois meses. E os papéis estão no centro da disputa pelos contratos de opções sobre ações, que vencem na próxima segunda-feira. Também no setor de metais, USIMINAS cedeu 4,7%. CSN caiu 8,1% e GERDAU recuou 5,9%.

- SANTANDER BRASIL liderou as perdas entre bancos, com retração de 5%, seguido por ITAÚ UNIBANCO e BRADESCO, caindo 3,77% e 2,76%, respectivamente.

- LOCALIZA teve baixa de 4,36%, com o setor de locação de veículos e gestão de frotas todo no vermelho em meio às preocupações com novas medidas de isolamento social que atingiram o setor no ano passado. LOCAMERICA se desvalorizou em 5,9%.

- SUZANO cresceu 2,5%. KLABIN avançou 0,45%. Em relatório a clientes, o BTG Pactual manteve visão positiva para ambos os papéis, dado o cenário de alta de preços da celulose na China.

- JHSF subiu 2,05%. A empresa anunciou mais cedo que suas vendas contratadas somaram 378,6 milhões de reais no quarto trimestre, alta de 192,9% ante igual período de 2019.

- MRV teve baixa de 1,93%, após ter informado na véspera alta nas vendas e queda nos lançamentos do quarto trimestre, no comparativo anual. Segundo o BTG Pactual, as vendas no negócio principal da construtora vieram abaixo das expectativas.

Para ver as maiores baixas do Ibovespa, clique em

Para ver as maiores altas do Ibovespa, clique em

(Edição Alberto Alerigi Jr.)