PUBLICIDADE
Topo

Biden apresenta planos para testes, vacinação e máscaras contra Covid-19

21/01/2021 20h51

Por Trevor Hunnicutt e Nandita Bose

WASHINGTON (Reuters) - O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, anunciou medidas nesta quinta-feira para coordenar um esforço federal para enfrentar a pandemia de Covid-19, em seu primeiro dia completo no poder, com medidas para expandir testes, vacinação e o uso de máscaras.

Em um evento na Casa Branca, Biden disse que a vacinação nos Estados Unidos têm sido um “triste fracasso até agora”, uma vez que o número de pessoas vacinas está bem abaixo do que se esperava.

“As coisas continuarão a piorar antes de melhorar”, disse Biden, sobre os danos do vírus.

O presidente também fez um apelo pessoal para que todos os norte-americanos usem máscaras nos próximos 99 dias para conter a disseminação do vírus, que matou 405.000 pessoas e infectou mais de 24 milhões nos Estados Unidos -- os maiores números do mundo inteiro.

Decretos assinados por Biden nesta quinta-feira criaram um conselho para cuidar de testes de Covid-19 para acelerar a testagem, abordam déficits de fornecimento, estabelecem protocolos para viajantes internacionais e direcionam fundos a comunidades de minorias que foram muito atingidas.

Os documentos exigem o uso de máscaras em aeroportos e certos transportes públicos, incluindo trens, aviões e ônibus intermunicipais. O governo também expandirá a produção de vacina e a sua capacidade de comprar mais doses.

Biden também emitiu decreto que requerer que passageiros internacionais de viagens aéreas façam quarentena ao chegarem aos Estados Unidos.

Biden se comprometeu com a aplicação de 100 milhões de doses da vacina contra o coronavírus durante seus primeiros 100 dias no cargo. Seu plano visa aumentar as vacinações, abrindo a elegibilidade para mais pessoas, como professores e funcionários de supermercados.

Na manhã desta quinta-feira, o Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA disse que foram aplicadas 17,5 milhões de doses da vacina contra Covid-19, de cerca de 38 milhões de doses distribuídas pelo país.