PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
4 meses

Países retomam vacina da AstraZeneca depois de agências dizerem que benefícios superam riscos

19/03/2021 08h34

Por Anthony Deutsch e Toby Sterling e Alistair Smout

AMSTERDÃ/LONDRES (Reuters) - Quase uma dúzia de países voltou a usar a vacina contra Covid-19 da AstraZeneca nesta sexta-feira, já que agências reguladoras da União Europeia e do Reino Unido disseram que os benefícios superam quaisquer riscos, apesar dos relatos de ocorrências raras de coágulos sanguíneos que levaram a uma suspensão temporária das aplicações.

O fim das suspensões dará início a um teste de confiança pública, tanto na vacina quanto nas agências reguladoras de medicamentos, cujas conclusões nunca foram acompanhadas com tanta atenção agora que variantes do vírus se disseminam e o número global de mortes, atualmente em quase 2,7 milhões, cresce.

A Indonésia se juntou a Alemanha, França e outros que voltaram a administrar as vacinas depois de suspenderem vacinações em reação a relatos de cerca de 30 casos de coágulos cerebrais raros depois de milhões de injeções que fizeram cientistas e governos correrem para determinar se havia uma ligação.

A Agência Europeia de Medicamentos (EMA) chegou ao que classificou como uma conclusão clara de que os benefícios da vacina para proteger as pessoas de mortes ou hospitalizações decorrentes do coronavírus superam os eventuais riscos.

Apesar disso, a EMA disse que não foi possível descartar definitivamente uma ligação entre ocorrências raras de coágulos cerebrais e a vacina e que continuará vigilante, assim como a Agência Regulatória Britânica de Medicamentos e Produtos de Saúde (MHRA).

"Esta é uma vacina segura e eficaz", disse a diretora da EMA, Emer Cooke, em uma entrevista coletiva na quinta-feira. "Se fosse eu, seria vacinada amanhã."

A EMA disse que atualizará sua diretriz sobre a vacina para incluir uma explicação sobre os riscos em potencial para o público e informações para os profissionais de saúde para ajudar as pessoas a reconhecerem as ocasiões em que possam precisar procurar assistência médica após uma vacinação.

Após a ação da EMA, outras procuraram reforçar a confiança na vacina da AstraZeneca, que é vista globalmente como um ativo importante devido à sua armazenagem e suas exigências de transporte relativamente fáceis e seu preço acessível na comparação com as vacinas de RNA mensageiro fabricadas pela Pfizer e pela Moderna.

Uma análise da própria AstraZeneca com mais de 17 milhões de pessoas que receberam sua vacina na UE e no Reino Unido não encontrou indícios de risco acentuado de coágulos sanguíneos.

(Por Anthony Deutsch e Toby Sterling em Amsterdã, Ludwig Burger em Frankfurt, Kate Kelland e Alistair Smout em Londres, John Miller em Zurique e Caroline Copley em Berlim)