PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Conteúdo publicado há
15 dias

Butantan entrega 1,5 milhão de doses da CoronaVac, Doria garante cumprimento de prazo

Butantan entrega mais 1.5 milhão de doses da vacina CoronaVac ao Ministério da Saúde - Flickr/Governo do Estado de São Paulo
Butantan entrega mais 1.5 milhão de doses da vacina CoronaVac ao Ministério da Saúde Imagem: Flickr/Governo do Estado de São Paulo

12/04/2021 11h19

O Instituto Butantan entregou nesta segunda-feira 1,5 milhão de doses da CoronaVac, vacina contra Covid-19 do laboratório chinês Sinovac, ao Programa Nacional de Imunização (PNI) do Ministério da Saúde e o governador de São Paulo garantiu que o instituto cumprirá a obrigação contratual de entregar o total de 46 milhões de doses da vacina até o fim deste mês.

Com a entrega desta sexta, o Butantan chegou a 39,7 milhões de doses da CoronaVac entregues ao PNI e tanto Doria quando o presidente do Butantan, Dimas Covas, asseguraram o cumprimeto do prazo, apesar do atraso na chegada do insumo farmacêutico ativo (IFA) importado da China para o envase nas instalações do Butantan.

"Isso nos enche de alegria e mantém o nosso cronograma de entrega de 46 milhões de doses da vacina do Butantan até o dia 30 de abril conforme o contrato, conforme o prometido. Tudo continua correndo bem até aqui para que essa entrega seja feita dentro desse volume", disse Doria aos jornalistas ao comemorar a entrega do novo lote de vacinas.

A expectativa inicial era que o Butantan recebesse 6 mil litros de IFA, suficientes para o envase de 10 milhões de doses, na semana passada. A remessa atrasou, e a estimativa passou a ser esta semana, mas ainda na semana passada, o instituto disse que deverá receber 3 mil litros até o dia 20 de abril e mais um lote de 3 mil litros ainda neste mês.

"Tudo indica que a normalidade seguirá nos próximos dias com o fornecimento dos insumos pelo laboratório Sinovac", disse Doria.

Também na semana passada, antes da entrega desta segunda, o Butantan disse que já havia envasado todo IFA que recebeu da Sinovac, mas que ainda tinha 3,2 milhões de doses a serem entregues ao PNI até o dia 19.

Nesta segunda, Covas garantiu que a programação de produção do instituto assegura o cumprimento do prazo de entrega das 46 milhões de doses caso o IFA chegue até o dia 20 e afirmou que existe a possibilidade de a matéria-prima chegar antes desta data.

EFICÁCIA

No domingo, o Butantan anunciou que enviou para publicação na revista científica Lancet os dados dos teste clínico feito com a CoronaVac no Brasil, cujos números preliminares já haviam sido anunciados.

De acordo com o instituto, os dados apontam eficácia da vacina superior à originalmente anunciada —50,7% agora contra 50,38% no anúncio inicial— e uma eficácia maior, de 62,3% quando aumentado o intervalo entre aplicação da primeira e da segunda doses para um período superior a 21 dias.

Os dados submetidos à publicação, que serão revisados por outros cientistas para só aí serem publicados, também mostraram, de acordo com o Butantan, eficácia de 83,7% a 100% contra casos que exigem assistência médica —era 78% a 100% na divulgação dos dados preliminares. O estudo, disse o Butantan, também comprova que a CoronaVac é eficaz contra as variates P.1 e P.2 do coronavírus, apontadas como mais transmissíveis.

"Além de serem melhores os resultados, agora nós temos dados de eficiência e estão demonstrando que nós temos uma excelente vacina, uma vacina que já tem se demonstrado em campo, isso é que é importante, muito efetiva inclusive após a primeira dose", disse Dimas Covas nesta segunda ao comentar os dados.

"Essa questão do intervalo entre a primeira e a segunda dose, nós também já conhecíamos, tanto é que nós temos orientado que o melhor esquema vacinal é zero a 28 dias", acrescentou.

Coronavírus