PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
1 mês

EUA suspendem emissão de vistos para maioria dos russos; Moscou repudia "ações inamistosas"

Porta-voz disse que a Rússia "esperava coisa melhor" dos primeiros 100 dias da Presidência de Joe Biden - Shamil Zhumatov
Porta-voz disse que a Rússia "esperava coisa melhor" dos primeiros 100 dias da Presidência de Joe Biden Imagem: Shamil Zhumatov

Dmitry Antonov e Alexander Marrow

Em Moscou

30/04/2021 13h02

O Kremlin acusou Washington hoje de atiçar as tensões com "ações inamistosas" depois que a embaixada dos Estados Unidos em Moscou disse que está reduzindo os funcionários e interrompendo a emissão de vistos para a maioria dos russos.

A embaixada disse que está diminuindo a equipe consular em 75% e que a partir de 12 de maio não processará mais vistos de não-imigrantes para viagens não-diplomáticas, já que uma nova lei russa impôs limites à contratação de funcionários locais para trabalharem em missões diplomáticas estrangeiras.

Isto significa que russos que não são diplomatas nem pleiteiam green cards não poderão mais solicitar vistos em seu próprio país para visitarem os EUA a turismo ou outros propósitos. Eles terão que fazer tais pedidos em terceiros países, se precisarem.

O Ministério das Relações Exteriores russo observou que consulados russos nos EUA continuam emitindo vistos dentro de 10 dias, apesar de eles mesmos estarem sofrendo cortes no corpo diplomático, e disse que nada impede Washington de compensar os funcionários enviando cidadãos norte-americanos.

A chancelaria ainda disse que a cota de funcionários diplomáticos dos EUA na Rússia continua em 455, mas que só há 280 credenciados, o que dá a Washington espaço de sobra para preencher a lacuna.

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse que a decisão da embaixada terá pouco impacto na prática porque os russos já enfrentam dificuldades para obter vistos para os EUA.

"Sabem, aqui a pessoa têm que olhar a causa central da situação tensa que está se desenvolvimento em nossas relações bilaterais", disse Peskov aos repórteres.

"Se você desata o nó das medidas inamistosas na direção oposta, torna-se óbvio que o precursor de tudo isso são as ações inamistosas dos Estados Unidos."

Ele disse que a Rússia "esperava coisa melhor" dos primeiros 100 dias da Presidência de Joe Biden.

Ele saudou as ações para renovar o tratado de armas nucleares Novo Start, "mas esta possível bagagem ainda é pequena em comparação com a carga de negatividade que acumulamos ao longo destes 100 dias. Esta carga, infelizmente, prevalece".

Os EUA impuseram novas sanções à Rússia neste mês devido às suas supostas atividades mal-intencionadas, incluindo a interferência na eleição dos EUA do ano passado, invasões cibernéticas e "bullying" contra a vizinha Ucrânia.

Internacional