PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
1 mês

Líder do governo, Fernando Bezerra Coelho passa a integrar CPI da Covid

Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), líder do governo no Senado, passa a integrar a CPI da Covid na Casa como suplente - Jane de Araújo/Agência Senado
Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), líder do governo no Senado, passa a integrar a CPI da Covid na Casa como suplente Imagem: Jane de Araújo/Agência Senado

Maria Carolina Marcello

05/05/2021 14h44Atualizada em 05/05/2021 14h44

O líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), passou a integrar a CPI da Covid na Casa como suplente, informou nesta quarta-feira o senador Marcos Rogério (DEM-RO), em um reforço para a defesa do presidente Jair Bolsonaro na comissão.

Marcos Rogério, assim como os senadores Ciro Nogueira (PP-PI) e Jorginho Mello (PL-SC), atuam na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) em defesa do governo, além do senador Eduardo Girão (Podemos-CE), que, embora não se declare governista, tem algumas posturas alinhadas à do presidente Jair Bolsonaro quando o assunto é pandemia. O grupo ganha, agora, um aliado nos embates na CPI.

Bezerra ingressou na CPI como suplente no lugar de Zequinha Marinho (PSC-PA), de acordo com Rogério.

O líder vem defendendo que aliados trabalhem na narrativa que o governo não tomou decisão dolosa ou cometeu omissão intencional no combate à pandemia. Já no início da CPI, firmou compromisso de compartilhar as informações necessárias para insistir que não houve intenção em contribuir para o agravamento do quadro.

Bezerra também faz coro aos alertas para que se evite uma politização da comissão e sua transformação em palanque político-eleitoral.

A CPI da Covid foi criada no Senado após determinação do Supremo. A comissão, formada por 11 senadores (maioria é independente ou de oposição), investiga ações e omissões do governo Bolsonaro na pandemia do coronavírus e repasses federais a estados e municípios. Tem prazo inicial (prorrogável) de 90 dias. Seu relatório final será enviado ao Ministério Público para eventuais criminalizações.