PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
1 mês

Órgão da UE recomenda evitar vacina da AstraZeneca para pessoas acima de 60 anos

13/06/2021 12h30

MILÃO (Reuters) - Os países devem evitar dar a vacina AstraZeneca contra Covid-19 a pessoas com mais de 60 anos, além de grupos de idade mais jovens, disse o chefe da força-tarefa do regulador de drogas da UE neste domingo.

A posição da Agência Europeia de Medicamentos (EMA) é que a vacina AstraZeneca é segura e pode ser usada para todas as faixas etárias acima de 18 anos. No entanto, vários membros da União Europeia restringiram seu uso para pessoas na faixa etária de 50 a 65 anos, devido a casos raros de coagulação do sangue, principalmente entre os jovens.

"Em um contexto de pandemia, nossa posição era e é que a relação risco-benefício continua favorável para todas as faixas etárias", disse o chefe da força-tarefa do Covid-19, Marco Cavaleri, ao jornal italiano La Stampa.

No entanto, Cavaleri disse que como o número de casos da doença está caindo e levando em consideração que a população mais jovem está menos exposta aos riscos ligados a Covid-19, seria melhor usar vacinas baseadas na tecnologia de RNA mensageiro (mRNA), como as vacinas Moderna e Pfizer-BioNTech, na população mais jovem.

Questionado sobre se as autoridades de saúde também deveriam evitar dar a vacina AstraZeneca a pessoas com mais de 60 anos, Cavaleri disse: "Sim, e muitos países, como França e Alemanha, estão considerando isso devido à maior disponibilidade de vacinas de mRNA."

No início da semana, o governo italiano disse que restringirá o uso da vacina AstraZeneca a pessoas com mais de 60 anos, depois que um adolescente que recebeu a vacina morreu devido a uma forma rara de coagulação do sangue.

O ministro italiano da Saúde, Roberto Speranza, disse neste domingo que a Itália continuará a usar a vacina AstraZeneca em pessoas com mais de 60 anos, incluindo aqueles que não receberam a primeira injeção.

Como muitos países europeus, a Itália suspendeu brevemente a vacinação com AstraZeneca em março devido a preocupações com os raros problemas de coagulação do sangue.

(Reportagem de Elvira Pollina)

((Tradução Redação São Paulo))

REUTERS AAP