PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
1 mês

Com falta de vacinas contra Covid, algumas capitais suspendem aplicação de 1ª dose

22/06/2021 08h41

Por Eduardo Simões

SÃO PAULO (Reuters) - Diante da falta de doses de imunizantes contra Covid-19, algumas capitais de Estados suspenderam nesta terça-feira a aplicação da primeira dose de uma vacina contra a doença, responsável pela morte de mais de 500 mil pessoas no Brasil.

São Paulo, Florianópolis, Aracaju e João Pessoa informaram a suspensão por meio de suas Secretarias Municipais de Saúde, e o problema também estaria ocorrendo em Campo Grande.

Na capital paulista, a prefeitura suspendeu a vacinação contra Covid-19 nesta terça e deve retomar a campanha de imunização na quarta, informou o governo municipal em nota na noite de segunda-feira.

"O Programa Municipal de Imunizações (PMI), da Secretaria Municipal da Saúde (SMS), informa que devido à alta adesão à vacinação antiCovid-19 na capital, com cerca de 90% do público entre 50 e 59 anos vacinado com a primeira dose, os estoques foram utilizados e nesta terça-feira, as 468 Unidades Básicas de Saúde serão reabastecidas", afirmou a prefeitura.

A secretaria espera receber, ainda nesta terça-feira, "188 mil doses de vacinas antiCovid do Governo do Estado para abastecer os estoques das UBSs e dar prosseguimento ao calendário estipulado", acrescentou.

Na terça-feira, vários postos de vacinação da cidade ficaram sem estoque de doses de vacinas para aplicação na população de 50 a 59 anos de idade que buscava se imunizar no que a prefeitura paulistana chamou de "repescagem" para as pessoas dessa faixa etária que não se vacinaram nas datas específicas para suas idades.

A interrupção por um dia da vacinação contra Covid-19 por falta de doses acontece após o governo do Estado de São Paulo anunciar uma antecipação do calendário de vacinação e prometer imunizar toda a população adulta do Estado com a primeira dose de uma vacina contra Covid-19 até o dia 15 de setembro.

Na capital catarinense, a Secretaria de Saúde local disse que as doses começaram a acabar nos postos de vacinação ainda na segunda-feira e, com o esgotamento dos estoques, apenas as pessoas já imunizadas com uma dose e que estão no momento de receber a segunda serão atendidas nos postos.

O mesmo aconteceu na capital sergipana, onde a expectativa da Secretaria de Saúde local é de que novas doses enviadas pelo Plano Nacional de Imunização (PNI) do Ministério da Saúde cheguem ainda nesta semana.

Em João Pessoa, a pasta da Saúde também informou, por meio de nota, que aguarda a chegada de vacinas para retomar a aplicação da primeira dose. Segundo o jornal Folha de S.Paulo, o problema também atingia a capital do Mato Grosso do Sul. A Reuters tentou contato com a Secretaria de Saúde de Campo Grande, mas não obteve resposta.

Procurado, o Ministério da Saúde também não respondeu de imediato a um pedido de comentário.

Nesta terça, o Ministério da Saúde recebeu 1,5 milhão de doses da vacina contra Covid-19 da Janssen, subsidiária da Johnson & Johnson, que devem começar a ser distribuídas aos Estados que, por sua vez, as enviarão aos municípios.

Essas primeira remessa da vacina da Janssen, aplicada em dose única ao contrário da maioria dos imunizantes contra Covid-19, tinha previsão inicial de chegada ao Brasil na semana passada, e em uma quantidade duas vezes superior à que desembarcou no Aeroporto de Guarulhos.

A previsão do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, é que toda população brasileira com mais de 18 anos esteja vacinada até setembro e ele espera que, com isso, termine o caráter pandêmico da Covid-19 no Brasil.