Inkatha diz que se juntará ao CNA e ao AD em governo de união na África do Sul

Por Bhargav Acharya e Nellie Peyton

JOHANNESBURGO (Reuters) - O Partido da Liberdade Inkatha da África do Sul se juntará a um governo de união com o Congresso Nacional Africano (CNA) e Aliança Democrática (AD), disse nesta quarta-feira o partido, dando uma forte indicação de quem governará o país.

O CNA, que perdeu sua maioria na eleição de 29 de maio, mas continua sendo o maior partido, tem conversado com um amplo espectro de partidos políticos para tentar estabelecer um governo de união nacional.

A composição final do governo ainda não foi anunciada, mas os comentários do líder do Inkatha, Velenkosini Hlabisa, deram a imagem mais precisa de como as negociações estão se configurando antes da primeira sessão do Parlamento recém-eleito na sexta-feira.

Muitos partidários do CNA se opõem fortemente a uma coalizão com o pró-negócios AD, que é o maior partido de oposição, mas tem lutado para se livrar de sua imagem de defensor dos privilégios dos brancos.

Analistas especularam que a inclusão do Inkatha, um partido conservador com uma base étnica zulu, poderia ajudar a atenuar essas preocupações.

"Participaremos do governo de união nacional pelo bem do nosso país e pelo bem do nosso povo, que deseja que a vida continue com um governo estável que enfrentará seus desafios", disse Hlabisa aos repórteres em uma coletiva de imprensa.

Os porta-vozes do CNA e do AD não responderam imediatamente aos pedidos de comentários.

Os partidos estão correndo para chegar a um acordo antes de sexta-feira, quando a Assembleia Nacional se reunirá para eleger seu presidente, vice-presidente e o presidente do país.

Continua após a publicidade

É muito provável que o presidente Cyril Ramaphosa seja reeleito, já que o CNA tem o maior número de assentos, mas os principais cargos, como o de presidente do Parlamento e vice-presidente, são objeto de negociações nos bastidores.

Deixe seu comentário

Só para assinantes