Papa Francisco diz ao G7 que humanos não devem perder controle da inteligência artificial

BORGO EGNAZIA, Itália (Reuters) - O papa Francisco se tornou o primeiro pontífice a discursar em uma cúpula do Grupo dos Sete, nesta sexta-feira, alertando os líderes mundiais de que nunca se deve permitir que a inteligência artificial domine a humanidade.

Uma série de chefes globais abraçou calorosamente o papa de 87 anos enquanto ele passava pela enorme mesa oval, empurrado em uma cadeira de rodas, uma vez que a idade e a enfermidade limitam sua mobilidade.

O papa disse que a IA representa uma "transformação histórica" para a humanidade, mas enfatizou a necessidade de uma supervisão rigorosa da tecnologia em constante desenvolvimento para preservar a vida e a dignidade humana.

Ele acrescentou que as pessoas não devem deixar que algoritmos superpoderosos decidam seu destino.

"Condenaríamos a humanidade a um futuro sem esperança se tirássemos a capacidade das pessoas de tomar decisões sobre si mesmas e suas vidas, condenando-as a depender das escolhas das máquinas", alertou.

O G7 reúne os líderes de Estados Unidos, Alemanha, Reino Unido, França, Itália, Canadá e Japão. Além disso, a primeira-ministra italiana Giorgia Meloni, anfitriã da cúpula, convidou 10 outras nações para participar das negociações na sexta-feira.

Ao entrar na sala de conferências antes de seu discurso, Francisco foi calorosamente envolvido pelo compatriota argentino, o presidente Javier Milei, recebeu um abraço do rei Abdullah da Jordânia, um beijo do primeiro-ministro canadense Justin Trudeau e teve uma longa conversa com o presidente dos EUA, Joe Biden.

O papa Francisco reconheceu a ambivalência em torno da IA, dizendo que ela poderia inspirar entusiasmo e ampliar o acesso ao conhecimento em todo o mundo.

"No entanto, ao mesmo tempo, ela pode trazer consigo uma injustiça maior entre nações avançadas e em desenvolvimento ou entre classes sociais dominantes e oprimidas", disse ele.

Continua após a publicidade

"Cabe a todos fazer bom uso (da IA), mas o ônus de criar as condições para que esse bom uso seja possível e proveitoso recai sobre a política", acrescentou.

Em um rascunho de sua declaração final, o G7 disse na sexta-feira que elaboraria um plano para antecipar futuras habilidades e necessidades educacionais para aproveitar a revolução da IA pendente.

O papa destacou o potencial da IA para assumir tarefas de trabalho intensivo e gerar um "avanço exponencial da pesquisa científica", mas disse que as máquinas também poderiam ser enganadas para transmitir informações falsas.

"Ela não desenvolve novas análises ou conceitos, mas repete aqueles que encontra", afirmou ele, o que significa que corre o risco de legitimar notícias falsas e fortalecer culturas já dominantes.

(Reportagem de Crispian Balmer)

Deixe seu comentário

Só para assinantes