Filipinas dizem a Pequim que palavras devem corresponder às ações no Mar do Sul da China

Por Mikhail Flores e Neil Jerome Morales

MANILA (Reuters) - As Filipinas pediram à China na quarta-feira que evite ações que coloquem em risco marinheiros e embarcações no Mar do Sul da China, dizendo que a paz não pode ser alcançada se as palavras da China não corresponderem ao seu comportamento nas águas disputadas.

O Ministério das Relações Exteriores das Filipinas denunciou como "ilegais e agressivas" as ações da China durante uma missão de reabastecimento de rotina em 17 de junho, que, segundo os militares filipinos, feriu gravemente um marinheiro e danificou as embarcações de Manila.

"O departamento tem se esforçado para reconstruir um ambiente propício ao diálogo e às consultas com a China sobre o Mar do Sul da China", disse o ministério em um comunicado.

"Isso não pode ser alcançado se as palavras da China não corresponderem às suas ações nas águas."

Um marinheiro filipino sofreu ferimentos graves após o que seus militares descreveram como "colisão intencional de alta velocidade" pela guarda costeira chinesa na terça-feira, com o objetivo de interromper uma missão de reabastecimento para as tropas estacionadas no Second Thomas Shoal.

A Guarda Costeira da China contestou a declaração, dizendo que a embarcação de Manila se aproximou de forma deliberada e perigosa de um navio chinês de maneira não profissional, forçando-a a tomar medidas de controle.

A China reivindica quase todo o Mar do Sul da China, que inclui o Second Thomas Shoal, onde as Filipinas mantêm um navio de guerra, Sierra Madre, encalhado em 1999 para reforçar suas reivindicações de soberania, com uma pequena tripulação.

Deixe seu comentário

Só para assinantes