Índia rejeita pedidos da China para retomar voos de passageiros após 4 anos, dizem autoridades

Por Krishn Kaushik e Aditi Shah e Lisa Barrington

NOVA DÉLHI/DUBAI (Reuters) - A China está pressionando a Índia a reiniciar os voos diretos de passageiros após uma interrupção de quatro anos, mas Nova Délhi está resistindo, já que uma disputa de fronteira continua a pesar sobre os laços entre os dois países mais populosos do mundo, disseram autoridades.

As relações entre Índia e China estão tensas desde que o maior confronto militar em décadas na disputada fronteira do Himalaia matou 20 soldados indianos e pelo menos quatro chineses em junho de 2020. Milhares de soldados permanecem mobilizados em cada lado.

Desde o confronto, a Índia dificultou o investimento de empresas chinesas, proibiu centenas de aplicativos populares e cortou rotas de passageiros, embora voos diretos de carga ainda operem entre os gigantes asiáticos.

Os voos diretos beneficiariam ambas as economias, mas os riscos são maiores para a China, onde a recuperação das viagens ao exterior após a pandemia da Covid-19 está atrasada, enquanto o setor de aviação da Índia cresce.

Várias vezes ao longo do último ano, o governo e as companhias aéreas da China pediram às autoridades de aviação civil da Índia que restabelecessem as ligações aéreas diretas, disseram à Reuters duas pessoas com conhecimento direto do assunto, sendo que uma delas disse que a China considera essa uma "grande questão".

"Esperamos que o lado indiano trabalhe com a China na mesma direção para a rápida retomada dos voos diretos", disse o Ministério das Relações Exteriores da China à Reuters em um comunicado na semana passada, acrescentando que a retomada dos voos seria do interesse de ambos os países.

Mas uma autoridade indiana graduada familiarizada com os desenvolvimentos bilaterais Índia-China disse sobre o desejo de Pequim de retomar os voos: "A menos que haja paz e tranquilidade na fronteira, o restante do relacionamento não poderá avançar".

Os ministérios das Relações Exteriores e da Aviação Civil da Índia não responderam aos pedidos de comentários.

Continua após a publicidade

Pequim tem protestado repetidamente contra o aumento do controle da Índia sobre as empresas chinesas desde 2020. A gigante chinesa de smartphones Xiaomi disse ao governo da Índia este ano que medidas de "construção de confiança" eram necessárias, já que os fornecedores de componentes estavam cautelosos quanto à instalação na Índia, citando questões de conformidade e vistos.

Deixe seu comentário

Só para assinantes