Bombardeios das forças israelenses deixam dezenas de mortos em Gaza

Por Nidal al-Mughrabi

CAIRO (Reuters) - As forças israelenses bombardearam Rafah e outras áreas da Faixa de Gaza, matando pelo menos 32 palestinos, e entraram em combate corpo a corpo com combatentes liderados pelo grupo islâmico palestino Hamas, segundo moradores e militares israelenses.

Os moradores disseram que os israelenses pareciam estar tentando concluir a captura de Rafah, a cidade no extremo sul do enclave que tem sido o foco de um ataque israelense desde o início de maio.

Os tanques estavam forçando a entrada nas partes oeste e norte da cidade, depois de já terem capturado o leste, o sul e o centro. As forças israelenses dispararam de aviões, tanques e navios ao largo da costa, forçando uma nova onda de deslocamento da cidade, que abrigava mais de um milhão de pessoas deslocadas, a maioria das quais foi forçada a fugir novamente.

Mais tarde na sexta-feira, autoridades de saúde palestinas disseram que pelo menos 12 palestinos foram mortos em Mawasi, no oeste de Rafah, no que os palestinos disseram ter sido um bombardeio de tanque que atingiu uma barraca que abrigava famílias deslocadas.

De acordo com autoridades de saúde palestinas, pelo menos 32 palestinos foram mortos em ataques militares israelenses separados na sexta-feira.

Os militares israelenses afirmaram que estavam investigando os ataques relatados em Mawasi e um incidente separado na Cidade de Gaza. Acrescentaram que suas forças estavam conduzindo ações "precisas e baseadas em inteligência" na área de Rafah, onde as tropas estavam envolvidas em combates a curta distância e haviam localizado túneis usados por militantes. Também foram relatadas ações em outras partes do enclave.

Alguns moradores de Rafah disseram que o ritmo do ataque israelense foi acelerado nos últimos dois dias. Eles disseram que os sons de explosões e tiros que indicam combates ferozes têm sido quase ininterruptos.

"A noite passada foi uma das piores noites no oeste de Rafah, drones, aviões, tanques e barcos navais bombardearam a área. Sentimos que a ocupação está tentando completar o controle da cidade", disse Hatem, de 45 anos, contatado por mensagem de texto.

Continua após a publicidade

"Eles estão sofrendo ataques pesados dos combatentes da resistência, o que pode estar diminuindo sua velocidade."

Depois de mais de oito meses de guerra em Gaza, o avanço de Israel agora está concentrado nas duas últimas áreas que suas forças ainda não haviam invadido: Rafah, no extremo sul de Gaza, e a área ao redor de Deir al-Balah, no centro.

"Toda a cidade de Rafah é uma área de operações militares israelenses", afirmou Ahmed Al-Sofi, o prefeito de Rafah, em uma declaração divulgada pela mídia do Hamas na sexta-feira.

"A cidade vive uma catástrofe humanitária e as pessoas estão morrendo dentro de suas barracas por causa do bombardeio israelense", acrescentou.

Sofi disse que não havia nenhuma instalação médica em funcionamento na cidade e que os moradores restantes e as famílias deslocadas não tinham o mínimo de suas necessidades diárias de comida e água.

Dados palestinos e da ONU mostram que menos de 100.000 pessoas podem ter permanecido no lado oeste da cidade, que abrigava mais da metade dos 2,3 milhões de habitantes de Gaza antes do início do ataque israelense no início de maio.

Continua após a publicidade

Os militares acusaram o Hamas de usar civis palestinos como escudos humanos, uma alegação que o Hamas nega.

A campanha terrestre e aérea de Israel foi desencadeada quando militantes liderados pelo Hamas invadiram o sul de Israel em 7 de outubro, matando cerca de 1.200 pessoas e fazendo mais de 250 reféns, de acordo com os registros israelenses.

A ofensiva deixou Gaza em ruínas, matou mais de 37.400 pessoas, segundo as autoridades de saúde palestinas, e deixou quase toda a população desabrigada e desamparada.

Deixe seu comentário

Só para assinantes