Promotores do caso sobre suborno de Trump estão abertos à suspensão parcial da ordem de silêncio

Por Luc Cohen

(Reuters) - Os promotores de Nova York dizem que estão abertos a uma suspensão parcial da ordem de silêncio de um juiz, agora que o candidato presidencial republicano Donald Trump foi condenado por acusações criminais decorrentes de um esforço para influenciar a eleição de 2016 ao comprar o silêncio de uma estrela pornô.

Os promotores do escritório do procurador distrital de Manhattan, Alvin Bragg, disseram em um documento judicial datado de quinta-feira e tornado público nesta sexta-feira que apoiam a permissão para que ele falasse publicamente sobre as testemunhas do caso.

Mas eles pediram ao juiz Juan Merchan que mantivesse restrições aos seus comentários sobre jurados, funcionários do tribunal e promotores, citando riscos à segurança deles.

No primeiro julgamento criminal de um presidente dos Estados Unidos, um júri de Manhattan, em 30 de maio, considerou Trump culpado de encobrir o pagamento de 130.000 dólares de seu ex-advogado Michael Cohen para a atriz de filmes adultos Stormy Daniels, que ameaçava vir a público antes da eleição com sua história de um encontro sexual com Trump.

Trump, eleito para um mandato de quatro anos em 2016, nega o suposto encontro de 2006 e prometeu recorrer de sua condenação.

A sentença está marcada para 11 de julho, quatro dias antes de seu partido se reunir para indicá-lo formalmente para disputar a Presidência na eleição de 5 de novembro.

Os advogados de Trump não responderam imediatamente a um pedido de comentário nesta sexta-feira.

Eles pediram para suspender a ordem de silêncio, argumentando que ela estava sufocando sua capacidade de responder a ataques de adversários políticos, reclamando que ele estava impedido de responder a ataques públicos de Cohen e Daniels, que testemunharam a favor da promotoria no julgamento.

Continua após a publicidade

Eles disseram que isso era particularmente importante antes do debate de Trump na próxima quinta-feira com seu rival, o presidente democrata Joe Biden, que chamou Trump de criminoso condenado.

O juiz multou Trump em 10.000 dólares por violações da ordem durante o julgamento de sete semanas e o advertiu, em 6 de maio, de que ele seria preso se entrasse em conflito com a ordem novamente.

Merchan impôs a ordem de silêncio antes do início do julgamento em abril, considerando que o histórico de declarações ameaçadoras de Trump representava um risco de atrapalhar os procedimentos.

Os promotores disseram que a ordem de silêncio não proíbe Trump de criticar o veredicto, o caso em geral, Bragg ou Merchan.

Os promotores disseram que a restrição aos comentários de Trump sobre as testemunhas do julgamento não precisava mais ser aplicada.

Mas eles disseram: "Os partidários do réu, seguindo seu exemplo, tentaram identificar os jurados e ameaçaram com violência contra eles".

Continua após a publicidade

"Portanto, continua havendo uma necessidade crítica de proteger os jurados neste caso contra ataques do réu e daqueles que ele inspira a agir", escreveram.

(Reportagem de Luc Cohen em Boston)

Deixe seu comentário

Só para assinantes