Trump vai discursar para grupo cristão e depois buscar voto da comunidade negra na Filadélfia

Por Nathan Layne

PHILADELPHIA (Reuters) - O candidato republicano à Presidência dos Estados Unidos, Donald Trump, falará neste sábado com um influente grupo de ativistas conservadores cristãos que defendem a restrição ao aborto, antes de ir à Filadélfia para um comício marcado para cortejar o voto da comunidade negra. 

O ex-presidente deve fazer o principal discurso em um evento organizado pela coalizão Faith & Freedom (Fé e Liberdade), grupo supervisionado pelo aliado de longa data de Trump, Ralph Reed, às 13h30, horário da costa leste, em Washington. 

A reunião vai destacar questões importantes para os eleitores conservadores cristãos antes da eleição de 5 de novembro, e os participantes estarão ansiosos para ouvir mais sobre a posição de Trump sobre o aborto. 

Trump tentou criar um meio-termo político sobre o assunto, o que se tornou uma vulnerabilidade para os republicanos nas últimas eleições. 

Ele reivindicou crédito por nomear três juízes conservadores para a Suprema Corte que ajudaram a reverter a decisão Roe v. Wade, dois anos atrás, eliminando o direito nacional ao aborto, em um triunfo para os conservadores. 

Mais recentemente, no entanto, Trump disse que não apoiará uma proibição federal ao aborto e prefere deixar a questão para os Estados individualmente. 

A posição não caiu bem entre muitos eleitores evangélicos, importante bloco eleitoral para Trump. Reed disse que o seu grupo continuará trabalhando por restrições tanto em nível estadual quanto em nível federal. 

Depois, também neste sábado, Trump participará de comício de campanha na Universidade Temple, região historicamente negra da Filadélfia e há muito tempo um bastião democrata. Trump levou apenas 5% dos votos nos distritos em um raio de cerca de 1 km do principal campus da Temple, segundo o jornal Philadelphia Inquirer. 

Continua após a publicidade

Neste ciclo eleitoral, a campanha Trump tem priorizado atrair eleitores negros e hispânicos, que compõem mais da metade da população da Filadélfia, encorajada por algumas pesquisas de opinião que indicam que pode estar ganhando terreno nesse eleitorado. 

Embora Trump tenha pouca chance de ganhar na cidade -- o presidente democrata Joe Biden levou 81,4% dos votos do Condado da Filadélfia em 2020 --, Trump ainda pode melhorar suas chances ao reduzir a margem na Filadélfia e nos condados nos arredores, críticos para a contagem geral da Pensilvânia, Estado crucial na eleição presidencial. 

A campanha Trump disse que usará seu discurso na Filadélfia para falar sobre a maneira como Biden está lidando com a inflação, a fronteira sul e o combate ao crime, todos assuntos fundamentais da campanha do republicano por um segundo mandato. 

Os democratas colocaram pôsteres, outdoors e quiosques na Filadélfia e no campus da Temple para promover as políticas de Biden, inclusive seus esforços para perdoar empréstimos estudantis, além de criticar o histórico de Trump com a comunidade negra. 

O parlamentar estadual democrata, Malcolm Kenyatta, disse que os eleitores negros lembram o histórico de Trump promovendo a teoria da conspiração preconceituosa que questionava se Barack Obama, o primeiro presidente afro-americano do país, era nascido nos Estados Unidos, e as políticas adotadas por ele que prejudicaram a classe trabalhadora negra. 

(Reportagem de Nathan Layne na Filadélfia)

Deixe seu comentário

Só para assinantes