Novas fendas aparecem em vulcão em erupção no Havaí

A erupção do vulcão Kilauea, o mais ativo do Havaí, continua neste domingo (6), com o surgimento de novas fendas, das quais saem lava e gases tóxicos que provocaram ...

Todas ficam na localidade de Leilani Estates, cujos 1.700 habitantes receberam uma ordem de evacuação obrigatória na última quinta-feira, bem como os de Lanipuna Gardens. O observatório, ligado ao serviço americano de geologia e sismologia (USGS), indicou que foram detectadas novas fendas no solo na manhã deste domingo, mas nenhuma deixa escapar calor ou vapor.

Apesar de várias delas continuarem emitindo jatos de lava, às vezes de até 70 metros de altura, outras pararam. Mas dióxido de enxofre, gás que deixa a qualidade do ar "extremamente perigosa", continuava escapando do solo em alguns lugares.

A defesa civil do arquipélago informou que cinco casas haviam sido destruídas e advertiu que a erupção estava aumentando e deve continuar, destacando a imprevisibilidade do fenômeno natural.

Sequência de tremores

Sobre a alta atividade sísmica na região desde o começo da semana, o observatório apontou um aumento nos últimos dois dias, marcado por um tremor de magnitude 6,9 na quinta-feira e um de magnitude 5 na véspera, que desencadeou a erupção do Kilauea. Em 48 horas, especialistas registraram 152 tremores de magnitudes 2 e 3 localizados a menos de 5 km da cratera, e 22 terremotos de magnitude 3.

O Kilauea, de 1.247 metros de altura, entrou em erupção às 16h45 locais de quinta-feira. O vulcão é um dos mais ativos do mundo e um dos cinco ativos da Big Island, maior ilha do arquipélago, formado por 137 ilhas.

Transtornos

Até agora, não foram registrados feridos, mas várias moradias foram destruídas ou muito danificadas pelo terremoto de sexta-feira, o maior a atingir a maior ilha do arquipélago desde 1975, segundo as autoridades. O tremor causou pequenas mudanças no nível do mar, mas não houve tsunamis.

O governador do Havaí, David Ige, decretou o estado de emergência para poder desbloquear verbas suplementares para enfrentar a situação. A Administração Federal de Aviação impôs restrições de voo na área até segunda-feira para todas as operações, exceto as de auxílio.

Os temores desencadearam desabamentos de rochas no Parque Nacional dos Vulcões do Havaí e provocaram o colapso de um precipício costeiro ao oceano. Funcionários ordenaram o fechamento do parque, que cobre mais de um décimo da área total da ilha. Cerca de 2.600 visitantes foram evacuados.

Imagens de meios de comunicação locais mostravam correntes de lava que passavam pelas florestas, enquanto a agência de Defesa Civil do arquipélago informou sobre "emissões de vapor e lava de uma fenda na subdivisão Leilani, na área de Mohala Street", seguidas de explosões, e ordenava todos os moradores a deixarem a área afetada.

Nessa área, vivem cerca de 1.700 pessoas em aproximadamente 700 edifícios. Os residentes retirados são abrigados em centros comunitários.

As autoridades indicaram que o perigo ligado às erupções em curso inclui "possíveis concentrações de gás de dióxido de enxofre" na região, assim como explosões de metano, que poderiam lança rochas e dejetos em áreas adjacentes.

Com informações da AFP  

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos