Topo

Bolivianos fazem greve geral contra nova candidatura de Evo Morales à presidência

AIZAR RALDES / AFP
5.dez.2018 - Oposicionistas de Evo Morales marcham em direção a La Paz, na Bolívia, para protestar contra o presidente e sua candidatura a um quarto mandato Imagem: AIZAR RALDES / AFP

Elianah Jorge, correspondente da RFI na Bolívia

06/12/2018 00h00

Os bolivianos fazem nesta quinta-feira (6) uma greve geral em várias cidades do país contra a candidatura de Evo Morales às eleições primárias, em janeiro de 2019, que vão definir os candidatos para a corrida presidencial. O atual chefe de Estado da Bolívia quer ser reeleito para o quarto mandato, ignorando o resultado do referendo de 2016, no qual a maioria da população afirmou que não quer que ele volte a concorrer à presidência. 

Os bolivianos estão indignados porque as candidaturas de Evo Morales e do vice-presidente Alvaro García Linera foram aceitas pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Os opositores convocaram há dias a greve geral desta quinta-feira, prevendo que o TSE anunciaria até sábado (8) se daria ou não permissão para a dupla Morales-Linera participar da eleição.

Porém, o TSE se antecipou e confirmou na noite de terça-feira (4) que ambos estão habilitados para concorrer às eleições primárias. Mesmo tendo sido pega de surpresa, a população manteve o protesto, que pretende parar o país.

Reforçando a pressão sobre o governo, centenas de pessoas que marcharam durante vários dias pelas principais estradas da Bolívia chegaram à sede do TSE em La Paz. Os opositores vão aproveitar a greve geral para recolher assinaturas pedindo a impugnação da candidatura de Morales.

No poder desde 2006, Morales bateu o recorde como o chefe de Estado há mais tempo na presidência da Bolívia. 

Criação das primárias

As eleições primárias foram criadas para que cada partido político defina internamente quais são os candidatos à presidência que participarão da eleição geral, prevista para o final do ano que vem. Outra mudança polêmica no sistema eleitoral foi a inscrição de eleitores como militantes de partidos políticos contra a vontade deles.

Essa situação aumentou ainda mais a desconfiança dos bolivianos sobre a transparência do sistema eleitoral do país. Além disso, foi criada uma brecha na Constituição que permitirá que Morales concorra pela quarta vez consecutiva à presidência, o que antes era ilegal.

A população afirma que a democracia na Bolívia está em risco após o TSE ignorar o resultado do referendo de 2016 e aceitar a candidatura de Evo Morales. Os opositores afirmam o país está em vias de se tornar uma Venezuela, em referência às recentes manobras feitas por Nicolás Maduro para permanecer no poder.

Candidatura é levada à audiência

Na quarta-feira, enquanto a população se organizava para a greve geral na Bolívia, uma audiência pública era realizada na Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) em Washington, sobre a quarta candidatura de Morales.

Os opositores alegam que reeleger Evo Morales pode representar um risco para o povo boliviano. Já os partidários do presidente defendem que a candidatura não viola nenhum direito, já que a decisão final será feita nas urnas através do voto popular. No entanto, a presidente da CIDH, Margarette May Macaulay, pediu tempo para avaliar o caso e chegar a uma conclusão. 

De acordo com uma pesquisa feita entre 17 e 20 de novembro e divulgada pelo jornal boliviano Página Siete, o ex-presidente e atual candidato Carlos Mesa (2003-2005) tem cinco pontos de vantagem sobre Evo Morales. Mesa, da coligação Comunidade Cidadã, ganharia 34% dos votos, contra os 29% de Morales, do partido Movimento ao Socialismo (MAS).

O atual presidente frequentemente afirma que é o povo quem deseja sua reeleição. No entanto, recentemente, ele entrou em contradição e garantiu que gosta de estar no poder.