Topo

Acordo UE-Mercosul vai destruir "Amazônia e a agricultura europeia", dizem europeus

28.jun.2019 - Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro (d), e o presidente da França, Emmanuel Macron, durante reunião dos líderes do G20, em Osaka (Japão) - Frederico Mellado / ARG
28.jun.2019 - Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro (d), e o presidente da França, Emmanuel Macron, durante reunião dos líderes do G20, em Osaka (Japão) Imagem: Frederico Mellado / ARG

29/06/2019 08h35

As polêmicas e as resistências contra o acordo "histórico" entre o Mercosul e a União Europeia se multiplicam neste sábado (29). A assinatura do tratado comercial entre os dois blocos foi anunciada na noite de sexta-feira (28), em Bruxelas. Nesta manhã, o texto é considerado "inaceitável" por agricultores, ONGs do meio ambiente e partidos ecológicos europeus. A política ambiental brasileira está na mira dos opositores ao acordo.

A presidente do FNSEA, o principal sindicato agrícola francês, Christiane Lambert, denunciou no Twitter um "acordo que expõe os agricultores europeus a uma concorrência desleal e os consumidores a uma enganação completa". Ela critica principalmente as 99 mil toneladas de carne bovina que os quatro países do bloco latino-americano poderão exportar, sem taxas, para a UE.

Segundo o sindicato, a medida complica ainda mais a situação dos 85 mil produtores franceses, já fragilizados pela guerra de preços na França. Prevendo as resistências, o comissário europeu para a Agricultura, Phil Hogan, prometeu na sexta-feira uma ajuda financeira de até ? 1 bilhão em caso de distúrbios no mercado do bloco.

Jean-Pierre Fleury, representante do setor de carne bovina do sindicato agrícola europeu Copa-Cogeca se pergunta está orquestrando "esta grande liquidação do setor pecuarista europeu?" Em 2018, Fleury foi um dos primeiros a alertar sobre a existência de riscos sanitários da carne brasileira. Segundo ele, no Brasil "a rastreabilidade dos animais é quase inexistente".

Política ambiental

ONGs e políticos ecologistas também atacam o acordo, principalmente devido à política ambiental do presidente Jair Bolsonaro. Segundo eles, o tratado comercial vai destruir "a Amazônia e a agricultura familiar europeia". "Que vergonha a Comissão Europeia fazer um pacto com Jair Bolsonaro que é contra os democratas, a comunidade LGBT, as mulheres, a Amazônia, e homologou 239 agrotóxicos desde janeiro", tuítou o eurodeputado ecologista francês, Yannick Jadot. Ele prometeu que o Partido Verde europeu fará tudo para bloquear o acordo.

Em uma carta aberta, publicada na imprensa em 18 de junho, centenas de ONGs, incluindo 30 coletivos franceses, pediram que à União Europeia interrompesse "imediatamente" as negociações sobre um acordo comercial com o Mercosul, em razão da situação dos direitos humanos e do meio ambiente no Brasil sob o governo de Jair Bolsonaro.

O presidente francês Emmanuel Macron disse em Osaka, no Japão, onde participava da cúpula do G20, que o acordo comercial é bom, mas garantiu que vai ficar atento a sua aplicação. Para entrar em vigor, o texto tem que ser ratificado por todos os países da União Europeia e pelo parlamento europeu, uma etapa que já se anuncia tensa.

Brasil e parceiros do Mercosul comemoram acordo "histórico" com UE

O Brasil e seus parceiros do Mercosul (Argentina, Paraguai e Uruguai) comemoraram o acordo histórico alcançado com a União Europeia, após 20 anos de negociações. As cotas e tarifas de produtos sul-americanos, como carne bovina, aves, açúcar e etanol, bem como a abertura do mercado automotivo nos países do Mercosul, foram pontos cruciais para chegar a um consenso.

"Prometi que faria comércio com todo o mundo, sem viés ideológico. (...) Estou cumprindo mais essa promessa, que renderá frutos num futuro próximo. Vamos abrir nossa economia e mudar o Brasil para melhor!", disse Bolsonaro, em Osaka.

O presidente argentino, Mauricio Macri, declarou neste sábado que "é uma das poucas boas notícias que tivemos em meses e que acreditamos vá interconectar mais estas economias, para que haja mais oportunidades de crescimento para nossa gente e possamos reduzir os problemas da pobreza que temos em nossa região".

Em Assunção, a chancelaria paraguaia emitiu uma nota saudando o acordo, que permitirá um acesso privilegiado em produtos agrícolas ao mercado europeu e estabelecerá as bases para o incremento do intercâmbio comercial e do fluxo de investimentos para o país sul-americano.

Juntos os quatro países do Mercosul e os 28 da UE (que serão 27 quando o Brexit for formalizado) representa cerca de 25% do PIB mundial, um mercado de 780 milhões de pessoas e uma corrente atual de comércio de US$ 100 bilhões.

Bolsonaro rebate fala de Merkel sobre meio ambiente

Band Notí­cias

Mais Internacional