Topo

Orgia de prefeito em iate foi gota d'água para derrota de partido de Orban na Hungria

Zsolt Borkai, prefeito da cidade de Györ (Hungria), em imagem ao lado de prostitutas - Reprodução
Zsolt Borkai, prefeito da cidade de Györ (Hungria), em imagem ao lado de prostitutas Imagem: Reprodução

18/10/2019 12h10

O prefeito da cidade de Györ, Zsolt Borkai, membro do partido do primeiro-ministro húngaro Viktor Orban, envolveu-se em um escândalo que contribuiu para o mau desempenho do Fidesz, a legenda ultraconservadora do premiê, nas eleições municipais ocorridas no último domingo (13).

O prefeito de Györ, Zsolt Borkai, foi acusado pelos seus correligionários do Fidesz de ser o responsável pelo sucesso dos candidatos liberais de esquerda em várias cidades, incluindo Budapeste, que agora está nas mãos do Partido do Diálogo para a Hungria.

Bonkaï, o ex-presidente do comitê olímpico húngaro, ex-ginasta de 54 anos, se viu envolvido em um escândalo sem precedentes. No dia 4 de outubro, dez dias antes do pleito, um vídeo publicado em um blog mostra o prefeito húngaro no meio de uma orgia em um iate, na costa croata. Sem filtro, as imagens mostram o ex-ginasta tendo relações sexuais com um grupo de prostitutas, cercado de garrafas de álcool e de cocaína. O caso foi divulgado pelo jornal francês Le Monde.

Para o partido ultraconservador Fidesz, que fez da defesa dos valores cristãos sua plataforma de campanha, as imagens são chocantes. Principalmente porque o blogueiro que as divulgou, que se autointitula "Advogado do Diabo" e que, aparentemente, participou da orgia, afirma que a festa foi paga com recursos públicos.

Partido de Orban abafou o caso

O partido de Orban abafou o caso usando a estratégia habitual: proibindo sua divulgação nos canais de TV e jornais controlados pelo governo. Em resposta, o prefeito de Györ publicou uma mensagem subliminar no Facebook acompanhada de uma foto de família: "Vamos aguentar firme, na alegria e na tristeza."

Em vídeo, Borkaï explica que algumas imagens foram "manipuladas" e outras "são bem reais." Ele diz não ter orgulho delas e pede desculpas à sua família, afirmando não ter utilizado dinheiro público para financiar sua viagem de barco. Dentro de seu partido, entretanto, muitos representantes pediram seu desligamento, o que acabou acontecendo, Apesar disso, Zsolt Borkaï sobreviveu ao escândalo e foi reeleito com 44,3% dos votos.

Internacional