PUBLICIDADE
Topo

Johnson & Johnson é 2° laboratório a suspender testes de vacina contra Covid-19

13/10/2020 04h52

Os testes, que estão na terceira fase, foram suspensos temporariamente porque um dos voluntários participantes teve uma doença inexplicável, informou o laboratório americano nesta segunda-feira (12). Em setembro, o AstraZeneca, que desenvolve sua vacina com a Universidade de Oxford, também teve que interromper os ensaios clínicos pelo mesmo motivo.

Os testes, que estão na terceira fase, foram suspensos temporariamente porque um dos voluntários participantes teve uma doença inexplicável, informou o laboratório americano nesta segunda-feira (12). Em setembro, o AstraZeneca, que desenvolve sua vacina com a Universidade de Oxford, também teve que interromper os ensaios clínicos pelo mesmo motivo.

"Interrompemos temporariamente a administração de novas doses em todos os nossos testes clínicos da vacina Covid-19, incluindo o ensaio ENSEMBLE de fase 3, devido a uma doença inexplicável em um participante do estudo", afirmou a empresa em um comunicado.

A pausa significa que o sistema online para a inscrição de 60.000 voluntários foi fechado O comitê independente de segurança dos pacientes, responsável pelo monitoramento dos testes, foi convocado para avaliar a situação.

A empresa disse que efeitos adversos sérios podem acontecer em qualquer ensaio clínico, especialmente em grande escala, e "são esperados". A interrupção visa determinar se o efeito adverso foi provocado pela vacina que está sendo testada e se o estudo pode ser retomado.

Testes no Brasil

Para a fase 3 de desenvolvimento da vacina Ad26., a Johnson & Johnson começou a recrutar voluntários no final de setembro, com uma meta de inscrever até 60.000 participantes em mais de 200 locais nos Estados Unidos e em todo o mundo.

Os outros países onde o estudo é realizado são Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, México, Peru e África do Sul. No Brasil, o G1 informa, citando dados da Anvisa, que 7.000 pessoas participavam dos testes da vacina Ad26.COV2.S da empresa americana.

Johnson & Johnson era o décimo laboratório no mundo a chegar à terceira fase da vacina contra a Covid-19 e o quarto nos Estados Unidos. A empresa recebeu US$ 1,45 bilhão das verbas da operação "Warp Seep", montada por Washington para produzir o produto rapidamente no país.

Dose única

A vacina da J&J é baseada em uma dose única de um adenovírus, responsável pelo resfriado, modificado para que possa se multiplicar e combinar com a parte que o coronavírus Sars-CoV-2 usa para penetrar na célula, a chamada "spike" (ou proteína de ponta). A empresa americana utiliza a mesma técnica empregada no desenvolvimento de sua vacina contra o Ébola, cuja comercialização foi aprovada pela Comissão Europeia em julho passado.

Em setembro, os testes clínicos da vacina contra a Covid-19 desenvolvida pelo grupo AstraZeneca em parceria com a Universidade de Oxford, considerada uma das mais promissoras, também foram interrompidos depois que um voluntário britânico teve uma doença inexplicável. O grupo pode retomar os ensaios clínicos no início de outubro no Japão e Reino Unido, mas não ainda nos Estados Unidos.

(Com informações da AFP)