PUBLICIDADE
Topo

'Inaceitável': Eliseu reage a insulto de presidente turco que chamou Macron de 'doente metal'

24/10/2020 13h51

A presidência francesa denunciou neste sábado (24) as declarações consideradas "inaceitáveis" do presidente turco Recep Tayyip Erdogan, que questionou "a saúde mental" de seu homólogo francês, Emmanuel Macron, por causa de sua "atitude para com os muçulmanos".

A presidência francesa denunciou neste sábado (24) as declarações consideradas "inaceitáveis" do presidente turco Recep Tayyip Erdogan, que questionou "a saúde mental" de seu homólogo francês, Emmanuel Macron, por causa de sua "atitude para com os muçulmanos".

"As palavras do presidente Erdogan são inaceitáveis. Ultraje e grosseria não são um método. Exigimos que Erdogan mude o curso de sua política porque é perigoso de todos os pontos de vista. Não entramos. em polêmica desnecessária e não aceitam insultos ", declarou o Palácio do Eliseu à agência AFP, anunciando uma convocação para consultas do embaixador francês em Ancara. O método diplomático da consulta é o primeiro passo tomado pelas autoridades em período de crise.

O presidente turco Recep Tayyip Erdogan atacou mais uma vez o presidente francês neste sábado (24), dizendo que Emmanuel Macron precisava de tratamento por causa de sua atitude para com os muçulmanos e o Islã.

"Qual é o problema dessa pessoa chamada Macron com os muçulmanos e o Islã? Macron precisa de tratamento mental", disse o presidente turco durante um congresso regional de seu partido em Kayseri, no centro da Turquia.

Erdogan já havia condenado no início do mês as declarações de Emmanuel Macron sobre o "separatismo islâmico", que qualificou de "provocação" ao denunciar a suposta "impertinência" do presidente francês. 

A presidência francesa observou neste sábado "a ausência de mensagens de condolências e apoio do presidente turco após o assassinato de Samuel Paty", o professor decapitado há uma semana em um ataque islâmico perto de seu colégio nos subúrbios parisienses.

O Eliseu também comentou as "declarações muito ofensivas [de Recep Tayyip Erdogan] dos últimos dias, em particular sobre o apelo ao boicote aos produtos franceses".