PUBLICIDADE
Topo

Após a França, agora é a vez da Inglaterra anunciar novo 'lockdown' para conter 2ª onda de Covid-19

31/10/2020 17h05

Os 56 milhões de habitantes da Inglaterra voltarão ao confinamento domiciliar a partir da próxima quinta-feira (5) e até 2 de dezembro, na tentativa de conter o avanço da pandemia do novo coronavírus. O anúncio foi feito neste sábado (31) pelo primeiro-ministro britânico, Boris Johnson. Um pouco mais cedo, o premiê austríaco também anunciou um novo lockdown.

Os 56 milhões de habitantes da Inglaterra voltarão ao confinamento domiciliar a partir da próxima quinta-feira (5) e até 2 de dezembro, na tentativa de conter o avanço da pandemia do novo coronavírus. O anúncio foi feito neste sábado (31) pelo primeiro-ministro britânico, Boris Johnson. Um pouco mais cedo, o premiê austríaco também anunciou um novo lockdown.

"Temos que ser humildes diante da natureza", afirmou Johnson, durante uma coletiva de imprensa, ao anunciar que todos os comércios não essenciais vão fechar e os ingleses não poderão sair de casa, exceto para questões essenciais, como comprar alimentos ou ir ao médico. Mas, como na vizinha França, que impôs um segundo confinamento desde sexta-feira (30), escolas e universidades vão continuar abertas. Pubs e restaurantes poderão funcionar apenas para venda de pratos para viagem.

O Reino Unido teve um dos piores balanços da Europa em número de mortos desde o início da pandemia e vem registrando 20 mil novos casos de contaminação por dia. Atualmente, o número de pessoas cuja causa da morte foi oficialmente registrada como sendo a Covid-19 já ultrapassa 58 mil. Os especialistas estimam que o surto poderá fazer mais de 80 mil vítimas fatais no país que temmenos de 70 milhões de habitantes. 

Governo vai bancar 80% dos salários

Para tentar conter o impacto econômico desse novo confinamento, o governo vai reativar o dispositivo de indenização, que garante 80% dos salários daqueles que não poderão trabalhar. "Chegou o momento de agir, pois não há alternativa", disse o premiê. "Se não fizermos nada, assistiremos a morte de milhares de pessoas por dia em nosso país", completou. 

O Reino Unido é o quinto país do mundo em número de vítimas, atrás dos Estados Unidos, Brasil, Índia e México.

Áustria também terá novo confinamento

O governo austríaco também anunciou neste sábado um novo confinamento, com a aplicação de um toque de recolher e o fechamento de restaurantes, hotéis, instituições culturais e esportivas, para tentar conter a segunda onda da pandemia de Covid-19. "Um segundo confinamento será aplicado a partir de terça-feira (3) e até o fim de novembro", afirmou o chanceler conservador Sebastian Kurz.

O toque de recolher deve ser respeitado todos os dias entre 20h e 6h. "Nenhum evento será possível. Isto inclui os setores de esportes, cultura e lazer. Os hotéis terão que fechar, com exceção das viagens de negócios, e também nos vemos obrigados a fechar restaurantes e cafés, com exceção da comida para levar", explicou Kurz. Ao contrário do primeiro confinamento, durante a primavera (hemisfério norte), o restante do comércio continuará aberto.

Nas últimas semanas o número de casos positivos de coronavírus aumentou exponencialmente na Áustria, muito acima dos níveis do primeiro confinamento. Na sexta-feira (30) o país registrou 5.627 novas infecções em 24 horas e neste sábado 5.439. No início de outubro, o número era de apenas mil por dia. Desde o início da epidemia, a Áustria registra 1.109 mortes.

(Com informações da AFP)