PUBLICIDADE
Topo

Liberdade de expressão em Cuba: diálogo é rompido entre governo e artistas

04/12/2020 14h39

Uma semana depois de uma histórica mobilização de artistas, o diálogo foi rompido: o Ministério da Cultura de Cuba anunciou nesta sexta-feira (4) que se recusa a discutir a liberdade de expressão com pessoas que acusa de serem financiadas pelo governo dos Estados Unidos.

Uma semana depois de uma histórica mobilização de artistas, o diálogo foi rompido: o Ministério da Cultura de Cuba anunciou nesta sexta-feira (4) que se recusa a discutir a liberdade de expressão com pessoas que acusa de serem financiadas pelo governo dos Estados Unidos.

"Com mercenários, não podemos nos entender", garante o Ministério da Cultura de Cuba em nota, retomando o jargão geralmente usado pelas autoridades comunistas para desacreditar os dissidentes por considerá-los como agentes de Washington.

"O Departamento de Cultura não se reunirá com pessoas que estejam em contato direto e que recebam financiamento, apoio logístico e apoio de propaganda do governo dos Estados Unidos e seus funcionários", disse o comunicado.

Mas "as oportunidades de diálogo permanecem abertas" com todos aqueles "que não comprometeram seu trabalho com os inimigos da nação cubana", assegura o ministério.

O compromisso com o diálogo entre governo e artistas foi um dos principais acordos firmados na noite de 27 para 28 de novembro, ao final de uma rara mobilização por quinze horas de cerca de 300 artistas contra o ministério.

Em Cuba, a autorização para manifestar é emitida apenas excepcionalmente e, quando vozes críticas anunciam sua intenção de se reunir publicamente, um grande deslocamento da polícia desencoraja qualquer reunião.

"Um mensageiro insolente"

Mas, desta vez, os artistas juntaram-se de forma espontânea, graças às chamadas veiculadas nas redes sociais, nesta ilha onde a internet móvel só chegou no final de 2018.

Surpreso, o ministério recebeu uma delegação de 30 manifestantes, cujas reivindicações incluíam a liberdade de criação e expressão, o direito de discordar e o fim da repressão e assédio contra artistas independentes.

No dia seguinte, porém, o governo endureceu o tom, denunciando um complô dos Estados Unidos.

Em seu comunicado de imprensa, o ministério afirma ter recebido na quinta-feira "uma carta insolente, na qual o grupo que se configurou como porta-voz de todas as reivindicações impõe, unilateralmente, quem deve participar do diálogo, com quem concorda em dialogar e onde".

O grupo de artistas exigiu a presença do Presidente Miguel Diaz-Canel à mesa de diálogo, bem como representantes dos Ministérios da Justiça e do Interior.

A lista de participantes, reproduzida pelo ministério, inclui em particular o intérprete Luis Manuel Otero Alcantara, líder do coletivo Movimento San Isidro (MSI), que passou dez dias em uma casa em Havana, alguns em greve de fome. , e cuja expulsão pela polícia desencadeou a mobilização contra o Ministério da Cultura.

 Os "27N"

Agora unidos sob a bandeira "27N" (27 de novembro), declinados em contas cubanas do Twitter e do Facebook, os artistas denunciaram na manhã desta sexta-feira, antes mesmo do anúncio oficial do ministério, a reviravolta das autoridades.

 "Apesar dos acordos obtidos, desde a manhã de sábado, 28 de novembro, fomos vítimas de uma campanha de difamação que não visa apenas os membros do MSI, mas que põe em causa as nossas intenções, nós que temos apoiamos esse movimento de solidariedade e temos nos manifestado contra a violência política, em favor da vida, da justiça e da liberdade e expressão artística ", escrevem em nota postada no Facebook.

 "Vários dos jovens presentes no encontro do dia 27 de novembro, assim como outros que nos acompanharam para preparar a agenda do diálogo com o ministério, estão sob estrita vigilância e sitiados, e alguns até foram presos", acrescentam eles.

Nos últimos dias, a mídia estatal desmantelou amplamente o que os artistas chamam de "farsa de San Isidro", multiplicando reportagens sobre supostas ações de desestabilização financiadas pelos Estados Unidos, como o descarrilamento de um trem de carga em Maio de 2019.

No sábado, a chancelaria cubana convocou o encarregado de negócios norte-americano Timothy Zuñiga-Brown, acusando-o de "interferência flagrante e provocadora".

As tensões diplomáticas têm sido muito fortes entre os dois países desde a chegada à Casa Branca de Donald Trump, que aumentou as sanções contra Cuba para fortalecer o embargo em vigor desde 1962.