PUBLICIDADE
Topo

Covid-19: França inicia vacinação de idosos de mais de 75 anos e grupos de "alto risco"

18/01/2021 10h33

O ministro da Saúde, Olivier Véran, disse nesta segunda-feira (18) que a meta de um milhão de franceses vacinados contra a Covid-19 será atingida até o final do mês, como prevê o governo. Ele fez o anúncio após uma visita ao hospital de Grenoble, onde teve início a campanha de vacinação para os franceses com mais de 75 anos e que pertencem aos grupos de "alto risco" para formas graves da Covid-19.

O ministro da Saúde, Olivier Véran, disse nesta segunda-feira (18) que a meta de um milhão de franceses vacinados contra a Covid-19 será atingida até o final do mês, como prevê o governo. Ele fez o anúncio após uma visita ao hospital de Grenoble, onde teve início a campanha de vacinação para os franceses com mais de 75 anos e que pertencem aos grupos de "alto risco" para formas graves da Covid-19.

"Com a aceleração da campanha nas casas de repouso para idosos, atingiremos nossa meta com folga", declarou o ministro à imprensa após sua visita ao estabelecimento, onde Verán trabalhou como neurologista. "Não poderemos vacinar todo mundo em um dia ou uma semana. A questão não é logística: a dificuldade é ter um número suficiente de doses para vacinar todos os franceses", declarou.

Até agora, a vacinação na França havia sido autorizada apenas para idosos em clínicas medicalizadas e profissionais da saúde. 

A partir desta segunda-feira, a imunização será ampliada para pessoas com mais de 75 anos morando em casa e pacientes de "alto risco", que incluem patologias como diabetes, insuficiência renal ou submetidas ao tratamento contra o câncer. "Quando as doses chegam, abrimos horários para os franceses. O fluxo é limitado e esta é nossa estratégia. Essa é estratégia de todos os países que vacinam", declarou Véran.

Em resposta a alguns líderes regionais, que julgam as entregas insuficientes para suprir a demanda em seus territórios, o ministro declarou que deu o número exato de doses que serão entregues nas próximas semanas, para que as equipes dos centros de vacinação possam se organizar.

"Todos que abriram horários para vacinar, sabem e sabiam antecipadamente quantas doses seriam entregues. Se a questão é programar mais pessoas para ganhar mais vacinas, a resposta é não", esclareceu. A exceção, diz, é para territórios onde o vírus tem uma circulação mais ativa, como é o caso do leste, da Borgonha, Nice ou Alpes Marítimos.

No total, 6,4 milhões de pessoas devem se vacinar em 800 centros. O ministro da Saúde pediu paciência e disse que, até o final de fevereiro, pelo menos cerca de 2,4 milhões de franceses serão vacinados e, talvez, 4 milhões, se outras vacinas encomendadas forem homologadas.

Pfizer promete compensar atraso

O atraso na entrega das vacinas contra a Covid-19 será recuperado no fim do primeiro trimestre, segundo a ministra da Indústria, Agnès Pannier-Runacher, que disse estar "vigilante." Segundo ela, o calendário da Pfizer prevê uma queda de 140.000 doses nesta semana e, a partir da semana que vem, haverá 520.000 entregas semanais".

A ministra lembrou que o desafio industrial para suprir a demanda é "imenso". De acordo com ela, o atraso será compensado no primeiro trimestre. O laboratório alemão garantiu ter um plano para limitar esse atraso.