PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
1 mês

Em Hong Kong, 47 pessoas são acusadas de 'subversão' por Pequim

O professor de direito e ativista pró-democracia Benny Tai é uma das 47 pessoas acusadas de "subversão" em Hong Kong - Isaac Lawrence/AFP
O professor de direito e ativista pró-democracia Benny Tai é uma das 47 pessoas acusadas de 'subversão' em Hong Kong Imagem: Isaac Lawrence/AFP

28/02/2021 07h55

A polícia de Hong Kong anunciou hoje ações judiciais por "subversão" contra 47 membros do movimento pró-democracia, o maior grupo acusado em um mesmo dia em nome da lei de segurança nacional, um exemplo da repressão implacável de Pequim.

Os indiciados representam uma ampla mostra da oposição, incluindo ex-parlamentares veteranos, como James To e Claudia Mo, além de acadêmicos, como Benny Tai, advogados, assistentes sociais e muitos jovens ativistas, como Joshua Wong. Eles integram o grupo de 55 pessoas que foram presas no início de janeiro.

Eles são acusados de "conspiração para cometer um ato de subversão", uma das qualificações previstas pela lei de segurança nacional que Pequim impôs a Hong Kong no ano passado, em resposta a meses de protestos que abalaram o território em 2019.

Lei imposta sem debate no Conselho Legislativo de Hong Kong e que aborda quatro tipos de crimes: subversão, secessão, terrorismo e conluio com forças estrangeiras, todos puníveis com prisão perpétua.

A ex-colônia britânica passa por sua pior crise política desde sua transferência, em 1997, para a China. E Pequim, no ano passado, empreendeu uma retomada vigorosa de sua região teoricamente semiautônoma.

'Lutaremos'

A polícia informou que um total de 39 homens e oito mulheres com idades entre 23 e 64 anos foram acusados. Joshua Wong, um dos rostos mais conhecidos do movimento pró-democracia, já está preso, condenado por organizar protestos em 2019. John Clancey, um advogado americano residente em Hong Kong, que estava entre os detidos, não foi acusado.

Muitos dos processados se mostraram combativos antes de serem detidos. "A democracia nunca é um presente do céu. Esta é conquistada com uma vontade de ferro", declarou Jimmy Sham, da Frente Civil pelos Direitos Humanos, uma organização que sempre defendeu a não-violência e foi a origem dos protestos mais expressivos de 2019. "Vamos continuar fortes e lutar pelo que queremos."

"Já faz muito tempo que decidimos não nos curvar ao totalitarismo", afirmou o ativista pró-democracia Lester Shum. "Espero que essa determinação seja compartilhada pelo povo de Hong Kong."

Os 47 acusados estão sendo processados em conexão com as eleições primárias da oposição, realizadas em julho, em que 600 mil participaram, com foco nas eleições legislativas de setembro —que acabaram sendo adiadas por um ano devido à pandemia do coronavírus—, que ocorreriam sob a imensa popularidade da mobilização de 2019. A oposição havia triunfado no final de 2019 nas eleições locais.

'Séria provocação'

As primárias geraram indignação na China, que as interpretou como uma " séria provocação", uma tentativa de paralisar o governo da cidade, e alertou que a campanha poderia ser entendida como um ato de "subversão", de acordo com a lei de segurança nacional.

A maioria dos candidatos foi posteriormente desqualificada pelas autoridades na ocasião, com as eleições sendo finalmente adiadas, sob o pretexto da pandemia.

Os críticos a Pequim acreditam que a postura de rejeitar as primárias significa, em última análise, que qualquer forma de oposição agora é ilegal em Hong Kong.

"O dia em que participar do processo democrático se tornou um crime", tuitou Sunday Clifford Stott, um acadêmico britânico que foi contratado pelo governo de Hong Kong para acompanhar a ação policial durante os protestos.

Hong Kong nunca foi uma democracia plena, já que o chefe de seu executivo não é eleito por sufrágio universal e apenas metade do Conselho Legislativo é eleito diretamente pelos habitantes.

No entanto, a China sempre havia tolerado a existência de oposição. As capitais ocidentais acusam Pequim de suprimir, com esta repressão, as liberdades prometidas sob o princípio "Um país, dois sistemas" decidido antes da transferência.

(Com informações da AFP.)

Internacional