PUBLICIDADE
Topo

Suíça aprova em votação apertada proibição de cobrir o rosto em lugares públicos

07/03/2021 15h26

Os suíços aprovaram com uma pequena maioria neste domingo (7) a proibição de esconder o rosto com o véu integral islâmico - a burca - em lugares públicos, um sinal contra o Islã radical de acordo com os defensores do projeto, uma iniciativa xenófoba e sexista para os críticos da iniciativa. Manifestantes encapuzados em manifestações também serão proibidos.

Os suíços aprovaram com uma pequena maioria neste domingo (7) a proibição de esconder o rosto com o véu integral islâmico - a burca - em lugares públicos, um sinal contra o Islã radical de acordo com os defensores do projeto, uma iniciativa xenófoba e sexista para os críticos da iniciativa. Manifestantes encapuzados em manifestações também serão proibidos.

O texto do projeto de lei, proposto inicialmente pelo partido populista de direita UDC, obteve 51,21% dos votos e a maioria dos votos dos representantes dos cantões suíços, de acordo com os resultados oficiais divulgados pelo governo federal.

A iniciativa também foi apoiada por feministas e parte dos eleitores da esquerda laica.

"Estamos muito satisfeitos. Não queremos que haja um Islã radical em nosso país", disse o vice-presidente da Suíça, Marco Chiesa, no canal Blick.tv.

O texto não faz referência direta à "burca" - um longo tecido que cobre as mulheres da cabeça aos pés, com uma fenda de malha na altura dos olhos - ou ao "niqab", véu que cobre completamente o corpo e o rosto, com exceção dos olhos, mas o cartazes de campanha (foto) não deixaram dúvidas sobre o propósito do referendo.

Ao votar contra o uso do véu completo na esfera pública, a Suíça se junta à França, Áustria, Bulgária, Bélgica e Dinamarca, após anos de debate em torno dessa questão polêmica, onde não existe consenso.

A partir de agora será proibido cobrir completamente o rosto em público na Suíça - o que também se aplica a manifestantes encapuzados - mas há exceções para locais de culto, por exemplo.

(Com informação da AFP)