PUBLICIDADE
Topo

Acidente ferroviário no Cairo deixa mortos e dezenas de feridos

18/04/2021 16h53

Pelo menos 11 pessoas morreram e quase 100 ficaram feridas após o descarrilamento de um trem ao norte do Cairo neste domingo (18). O balanço foi divulgado no final do dia pelo governo egípcio.

Pelo menos 11 pessoas morreram e quase 100 ficaram feridas após o descarrilamento de um trem ao norte do Cairo neste domingo (18). O balanço foi divulgado no final do dia pelo governo egípcio.

Oito vagões de um trem que ia do Cairo para Mansura descarrilaram perto da cidade agrícola de Toukh, cerca de 40 quilômetros ao norte da capital, segundo o comunicado do Executivo. Dezenas de ambulâncias foram mobilizadas para ajudar a transportar os feridos, de acordo com o Ministério da Saúde.

"Onze pessoas morreram e 98 ficaram feridas no acidente de trem de Toukh ", na região do Delta do Nilo, confirmou o governo. O primeiro balanço divulgado durante o dia pelas autoridades locais não mencionava nenhuma vítima fatal.

As causas do acidente ainda são desconhecidas. O presidente egípcio, Abdel Fatah al Sissi, pediu ao corpo de engenheiros militares para investigar a catástrofe.

Acidentes ferroviários tendem a ocorrer no Egito com certa regularidade, devido à precariedade das suas infraestruturas e à manutenção insuficiente. Pelo menos 20 pessoas morreram e 199 ficaram feridas em março em outro acidente de trem no sul do Egito, cujo número de vítimas foi revisado várias vezes.

A tragédia ferroviária mais grave da história do país aconteceu em 2002, quando um trem pegou fogo quando fazia um trajeto no sul do Cairo. Mais de 370 pessoas morreram.

Ajuda financeira

No início de abril o Banco Africano de Desenvolvimento (BAD) anunciou que iria liberar um empréstimo de € 145 milhões para que o Egito pudesse melhorar seu sistema de ferroviário.

"O financiamento será usado para reforçar a segurança operacional e o aumento da capacidade da rede nacional de vias férreas", explicou o banco em um comunicado. Segundo o BAD, essas melhorias beneficiariam "40% da população egípcia mais pobre, que depende dos trens como meio de transporte acessível".

(Com informações da AFP)