PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
15 dias

Políticos entram na guerra a favor da Uefa e contra Superliga Europeia de futebol

19/04/2021 07h22

O projeto de criação da Superliga Europeia de futebol, um torneio privado com 12 grandes clubes do continente e destinado a concorrer com a Liga dos Campeões, extrapola o mundo esportivo e governos entram em campo para defender a Federação Europeia de Futebol (Uefa). A iniciativa, lançada nesta segunda-feira (19) por Juventus de Turim, Real Madrid, FC Barcelona, Liverpool e Manchester United, entre outras grandes equipes, foi rejeitada pelo PSG e o Bayern de Munique. 

O projeto de criação da Superliga Europeia de futebol, um torneio privado com 12 grandes clubes do continente e destinado a concorrer com a Liga dos Campeões, extrapola o mundo esportivo e governos entram em campo para defender a Federação Europeia de Futebol (Uefa). A iniciativa, lançada nesta segunda-feira (19) por Juventus de Turim, Real Madrid, FC Barcelona, Liverpool e Manchester United, entre outras grandes equipes, foi rejeitada pelo PSG e o Bayern de Munique.

A operação é vista pela imprensa como uma declaração de guerra às instâncias esportivas. O jornal L'Équipe evoca uma "Guerra dos ricos", "É a guerra", insiste o tablóide britânico Daily Express, enquanto na Espanha, o AS fala de "uma bomba no futebol europeu".

O principal objetivo dos clubes envolvidos é aumentar seus ganhos com patrocínio e marketing esportivo, deixando de lado o espírito esportivo e de redistribuição de receitas para equipes menores, advertem os críticos. O grupo, formado por AC Milan, Arsenal, Atlético Madrid, Chelsea FC, FC Barcelone, Inter de Milão, Juventus, Liverpool, Manchester City, Manchester United, Real Madrid e Tottenham, almeja organizar um maior número de jogos durante o ano e ficar com uma fatia bem maior do bolo atualmente dividido pela Uefa.

Segundo seus promotores, os clubes fundadores receberiam um pagamento único de cerca de ? 3,5bilhões destinados exclusivamente a investimentos em infraestruturas e para compensar o impacto da crise da Covid-19. Eles também prometem organizar uma Super Liga feminina de futebol.

Reações políticas

O comissário responsável pela Promoção do Modo de Vida Europeu na Comissão de Bruxelas, Margaritis Schinas, julgou a "Super Liga" contrária aos valores europeus de "diversidade" e "inclusão".

O presidente francês, Emmanuel Macron, parabenizou o PSG e demais clubes franceses que se recusaram a aderir ao projeto, que, segundo ele, ameaça o princípio da solidariedade e do mérito esportivo. "Os sonhos hegemônicos de uma oligarquia terão por consequência o desaparecimento de um sistema europeu que permitiu um desenvolvimento sem precedentes do futebol no continente", diz uma nota publicada pelo Palácio do Eliseu. O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, também criticou o projeto.

Ameaça de exclusão de competições internacionais

As instâncias esportivas foram as primeiras a reagir. A Fifa afirmou que "só pode desaprovar uma Liga Europeia fechada e dissidente fora das estruturas do futebol".

Em comunicado, a Uefa classificou o projeto de "cínico" e ameaçou excluir os clubes que participarem de uma "Superliga" independente. "Conforme anunciado anteriormente pela Fifa (...), os clubes envolvidos seriam proibidos de participar em qualquer outra competição a nível nacional, europeu ou mundial. Seus jogadores poderiam ver negada a possibilidade de representar as suas seleções nacionais", detalhou o texto.

A Uefa e a Fifa já haviam antecipado sanções duras quando surgiram as primeiras especulações sobre esse novo torneio em janeiro. A exclusão de competições internacionais teria consequências graves uma vez que as equipes dos clubes que lançaram a Superliga são formadas por muitos jogadores estrangeiros, que seriam proibidos de atuar por suas seleções nacionais.

Estreia em agosto

No comunicado anunciando a criação da "Superliga", os 12 clubes, provenientes somente de três países europeus (Espanha, Itália e Inglaterra) anunciaram para "agosto" a estreia da competição independente. Mas o cronograma preciso não foi definido.

Segundo os promotores, o projeto tem como objetivo "gerar recursos complementares para toda a pirâmide do futebol". O banco JPMorgan revelou nesta segunda-feira que irá financiar a criação do torneio independente do futebol europeu.

O primeiro presidente da Superliga é o espanhol Florentino Pérez, presidente do Real Madrid, e o italiano Andrea Agnelli, patrono da Juventus, o vice-presidente.

O anúncio de lançamento da Superliga aconteceu pouco antes de uma importante reunião do Comitê Executivo da Uefa, nesta segunda-feira na cidade suíça de Montreux, que irá aprovar uma reforma profunda da Liga dos Campeões. A Federação Europeia de Futebol pretende impedir a possibilidade de surgimento dessa nova competição.