PUBLICIDADE
Topo

Depois de produzir oxigênio em Marte, meta agora é aumentar rendimento do Perseverance

22/04/2021 08h15

O explorador da Nasa Perseverance conseguiu mais uma proeza em Marte: produzir oxigênio no planeta vermelho. Um instrumento acoplado ao "rover" de seis rodas transformou dióxido de carbono da atmosfera marciana em cinco gramas de oxigênio, o que equivale a dez minutos de ar respirável para um astronauta que executa uma atividade normal. 

O explorador da Nasa Perseverance conseguiu mais uma proeza em Marte: produzir oxigênio no planeta vermelho. Um instrumento acoplado ao "rover" de seis rodas transformou dióxido de carbono da atmosfera marciana em cinco gramas de oxigênio, o que equivale a dez minutos de ar respirável para um astronauta que executa uma atividade normal. 

O feito científico histórico abre caminho para a exploração espacial humana no futuro. O processo não só pode produzir oxigênio para os astronautas, mas também poderia evitar o transporte de grandes quantidades do produto da Terra, para usá-lo como propulsor em foguetes na viagem de retorno. 

O Perseverance pousou no planeta vermelho em 18 de fevereiro, em uma missão para buscar sinais de vida microbiana. Seu mini-helicóptero também fez história nesta semana ao conseguir realizar o primeiro voo em outro planeta. Pela primeira vez, o explorador gravou sons de Marte.

Opção à extração de gelo 

O Experimento In Situ de Utilização de Oxigênio em Marte (Moxie, na sigla em inglês) consiste em uma caixa dourada do tamanho da bateria de um carro e fica localizado do lado direito na dianteira do "rover". Apelidado de "árvore mecânica", usa eletricidade e química para dividir as moléculas de dióxido de carbono, formadas por um átomo de carbono e dois de oxigênio. Como subproduto, também gera monóxido de carbono.

Os engenheiros do Moxie - projetado para produzir até 10 gramas de oxigênio por hora - agora farão mais testes e tentarão aumentar seu rendimento. Desenhado no Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), o equipamento foi construído com materiais resistentes ao calor, como liga de níquel, para tolerar as temperaturas de 800 graus Celsius exigidas para seu funcionamento. Uma fina camada de ouro assegura que não irradie calor e danifique o "rover".

O engenheiro do MIT Michael Hecht disse que uma versão do Moxie com uma tonelada poderia produzir aproximadamente 25 toneladas de oxigênio necessárias para um foguete decolar de Marte. Produzir oxigênio na atmosfera marciana, composta em 96% por dióxido de carbono, poderia ser uma opção mais factível do que fazê-lo extraindo gelo sob a superfície e depois submetê-lo à eletrólise.

(Com informações da AFP)