PUBLICIDADE
Topo

Iranianas consideram 'insulto' o Irã ser eleito para Comissão da ONU sobre direitos das mulheres

23/04/2021 14h59

Três associações de mulheres iranianas na França, Itália e Suécia denunciam como um "insulto" feito "a todas as mulheres iranianas" a eleição nesta semana do Irã como membro da Comissão das Nações Unidas sobre a Condição da Mulher (CSW), por um mandato de quatro anos.

Três associações de mulheres iranianas na França, Itália e Suécia denunciam como um "insulto" feito "a todas as mulheres iranianas" a eleição nesta semana do Irã como membro da Comissão das Nações Unidas sobre a Condição da Mulher (CSW), por um mandato de quatro anos.

"Nós, as associações femininas abaixo assinadas, consideramos a eleição do regime extremamente misógino do Irã como membro da Comissão das Nações Unidas sobre a Condição da Mulher (CSW) um insulto a todas as mulheres iranianas, as principais vítimas desse regime nas últimas quatro décadas", declarou a Associação de Mulheres Iranianas na França (AFIF), a Associazione delle Donne Democratiche Iraniane (ADDI), na Itália, e a associação Iranska kvinnosamfundet i sverige, na Suécia.

Na terça-feira, o Conselho Econômico e Social das Nações Unidas (ECOSOC) elegeu, entre outros países, o Irã para o CSW por um mandato de quatro anos, que começará na primeira reunião da sexagésima sétima sessão em 2022.

A CSW é o principal órgão intergovernamental do mundo dedicado exclusivamente a promover a igualdade de gênero e o empoderamento das mulheres.

"Apelamos a todos os governos, instituições e associações para condenarem esta decisão que vai contra a promoção da igualdade de gênero e o empoderamento das mulheres no Irã", apelam as três associações.

Discriminação contra mulheres garantida por lei

As associações observam que o Relator Especial da ONU sobre Direitos Humanos no Irã, Javaid Rehman, enfatizou em um relatório de março de 2021 estar "profundamente preocupado com a discriminação persistente contra mulheres e meninas nas esferas pública e privada, que está garantida na Constituição da República do Irã, bem como pela lei, como pela prática".

Ele considerou "lamentável que o governo iraniano não tenha aceitado 14 recomendações relativas à ratificação da "Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra as Mulheres" e observou que "os valores patriarcais e o comportamento misógino permeiam muitos aspectos da vida familiar no Irã" .

Nesse país, a lei confere às mulheres um estatuto jurídico inferior ao dos homens e exige o uso do véu em espaços públicos. Mas a República Islâmica também trabalhou enormemente pela educação das mulheres, um fator de emancipação.

Em uma mensagem de vídeo em frente ao Parlamento sueco, transmitida nesta sexta-feira pelo Twitter, Masih Alinejad, ativista feminista iraniana residente nos Estados Unidos, e que está na origem do movimento anti-véu no Irã, considerou inaceitável que um "regime que faz não permitir que as mulheres não tomem decisões para que seus próprios corpos sejam eleitos para supervisionar a condição das mulheres em todo o mundo".

"Aos olhos do regime iraniano, qualquer mulher que luta por seus direitos fundamentais é uma criminosa", criticou.

(Com informações da AFP)