PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
1 mês

Preferido das famosas, criador francês Louboutin diz se inspirar em "certas formas de feiúra "

17/10/2021 13h37

Christian Louboutin, criador dos icônicos sapatos de salto agulha de sola vermelha, foi seduzido por acessórios tão "repulsivos" como "alguns filmes de David Lynch". "A provocação é um elemento muito clássico da moda", admitiu o estilista francês. Os acessórios têm que questionar, mas sem culpabilizar quem os utiliza, resume o estilista, presidente do júri de acessórios de moda do festival internacional de Hyères, no sul da França, que termina neste domingo (17).

Christian Louboutin, criador dos icônicos sapatos de salto agulha de sola vermelha, foi seduzido por acessórios tão "repulsivos" como "alguns filmes de David Lynch". "A provocação é um elemento muito clássico da moda", admitiu o estilista francês. Os acessórios têm que questionar, mas sem culpabilizar quem os utiliza, resume o estilista, presidente do júri de acessórios de moda do festival internacional de Hyères, no sul da França, que termina neste domingo (17).

Direto do sul da França, ele revelou os critérios que buscou ao escolher os finalistas do concurso de acessórios de moda do festival internacional de Hyères. "Me baseei na emoção e no poder de questionamento. Não tem que ser um objeto que eu goste ou que esteja vestindo, mas eu preciso que ele saiba criar um desejo de fazer o público se interessar por ele. Em algumas formas de feiúra, existe muito interesse. Não tem que ser 'bonito' no sentido clássico, tem que questionar, agitar", declarou o queridinho francês das ricas e famosas.

"Amo [o diretor de cinema norte-americano] David Lynch, alguns dos filmes que vi dele foram repulsivos, mas isso não me impede de gostar do seu trabalho, de ver os seus próximos filmes... Há filmes que são muito bonitos e muito angustiantes. Afinal, a provocação é um fator muito clássico na moda", comparou.

Crocs "repulsivos"?

"Vivemos um período muito repulsivo. Quando vejo tamancos de plástico, acho-os super repulsivos, [mas] há muitas coisas desse tipo que são revisitadas pela moda", contemporizou o criador francês.

Segundo Louboutin, os acessórios servem para personalizar detalhes. "Um dos finalistas [do concurso] falou de uma forma de futilidade. Joias, nós as usamos, mas elas não tem uma função 'útil', como uma vestimenta ou um calçado", lembrou. "O papel do acessório é colocar acentos muito pessoais na padronização das roupas. O complemento fala mais da personalidade, de uma forma mais sutil", sublinhou.

"As mensagens não precisam ser muito óbvias, elas devem parecer filigranas. Se as pessoas querem adquirir algo que você faz, é para se sentir bem, não para se sentir culpado ou responsável", declarou o designer.

Louboutin apresentou sua última coleção de calçados no Atelier des lumières em Paris, em um espetáculo e um show imersivo. Sobre a chegada da pandemia e se a tendência à virtualização dos desfiles mudaram a forma de se exibir moda, ele diz que "é bom experimentar de tudo". "Não há porque apresentar a moda de forma rígida para sempre. As coisas mudam. Existem novas tecnologias que permitem fazer coisas incríveis, muito evocativas", pontuou.

"Entre essas tecnologias está o mapping [técnica audiovisual que permite projetar luz e imagens em grandes formatos em monumentos]. É sempre bom brincar com isso. Gosto de teatro, de music hall, tudo o que é entretenimento sempre me interessou. Ainda estamos no começo, esta história está apenas no inicío", disse o provocador e criador francês.

Com informações da AFP