PUBLICIDADE
Topo

Novo ministro da suprema corte diz que "evangélicos têm agora representante no STF"

02/12/2021 05h38

O ex-ministro da Justiça e ex-advogado-geral da União, André Mendonça, segunda indicação de Jair Bolsonaro para o Supremo Tribunal Federal (STF), teve o nome aprovado na quarta-feira (1) por 47 votos a 32 no plenário do Senado. Mendonça defendeu estado laico e democrático.

O ex-ministro da Justiça e ex-advogado-geral da União, André Mendonça, segunda indicação de Jair Bolsonaro para o Supremo Tribunal Federal (STF), teve o nome aprovado na quarta-feira (1) por 47 votos a 32 no plenário do Senado. Mendonça defendeu estado laico e democrático.

Raquel Miura, correspondente da RFI em Brasília

Foi a votação mais apertada entre os atuais ministros do Supremo, mas o pastor e ex-ministro teve o nome aprovado à mais alta corte do país. Bolsonaro comentou nas redes sociais que cumpriu uma promessa de campanha ao indicar um nome "terrivelmente evangélico".

André Mendonça, 48 anos, treinou muito em casa para dar respostas mais equilibradas em assuntos delicados para muitos religiosos, mas que poderiam dificultar sua aprovação entre os mais progressistas. Na sabatina do Senado, quando foi perguntado sobre o casamento gay, por exemplo, num primeiro momento disse que seguirá a Constituição. Pressionado a se posicionar, afirmou que vai defender o direito constitucional do casamento civil entre pessoas do mesmo sexo, já reconhecido pelo tribunal, mas sem lei aprovada pelo Congresso.

Mendonça defendeu o estado laico e democrático e seu mantra virou "a Bíblia na vida pessoal e a Constituição na vida pública". Mas após ver seu nome aprovado pelo plenário, não escondeu o peso religioso que carrega. "A primeira reação foi dar glória a Deus por essa vitória. Um passo na história de um homem, mas um salto na história dos evangélicos do Brasil; 40% de uma nação que agora são representados no Supremo Tribunal Federal", disse.

O judeu Luiz Fux, presidente do STF, disse que a posse do novo ministro deve acontecer ainda este ano. "Manifesto satisfação ímpar pela aprovação de André Mendonça, porque sei dos seus méritos", afirmou em nota.

No interrogatório da Comissão de Constituição e Justiça do Senado, Mendonça fez aceno aos parlamentares citados na Lava Jato e que não querem ver Sérgio Moro nem pitado de ouro, dizendo que não se pode criminalizar a política e que delação premiada não prova nada.

Nos bastidores, apoiadores de Mendonça diziam que o ex-presidente Lula havia se comprometido a não pedir voto contrário e a não dificultar a aprovação do nome, de olho no voto dos evangélicos, um segmento que a cada eleição tem tido um peso maior.

Olhos voltados para 2022

O cuidado de Lula ao tratar esses eleitores mostra que já foi dada a largada para a briga presidencial e os últimos movimentos aqueceram o mercado de apostas: Bolsonaro enfim se filiou ao PL; Sérgio Moro ingressou no Podemos, incomodando nas pesquisas nomes como o de Ciro Gomes, do PDT; o PSDB escolheu João Dória como pré-candidato do partido; e o PT conversa com políticos de centro, como Geraldo Alckimin, para compor uma possível chapa com Lula. Sem contar outros nomes jogados na roda das conversas, como o do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD).

Há uma corrida para ver quem conseguirá se apresentar como uma terceira via viável eleitoralmente entre Bolsonaro e Lula, e as pesquisas de intenção de voto é que mostrarão o fôlego de cada um, definindo quem fica na briga e quem cederá espaço para as composições. O deputado Lincoln Portela, do PL, disse à RFI que acredita numa terceira via fragmentada e não vê chances de um segundo turno sem Lula e Bolsonaro.

"Na minha avaliação, essa que vem sendo chamada de terceira via estará pulverizada, com vários nomes. E não vejo hipótese alguma de não haver segundo turno entre Lula e Bolsonaro", afirmou o parlamentar do PL.

Bolsonaristas vão insistir na narrativa construída de que o atual presidente é o caminho contra o comunismo. E não à toa apoiadores de Lula mais moderados quase infartam quando ele sai em defesa de ditaduras de esquerda.

No PT a ideia é trazer um vice de centro para amenizar essa marca. "Queremos uma chapa que vença as eleições, inclusive no primeiro turno. Então a ideia é ir além do espectro da esquerda e buscar um nome para vice que seja de centro", disse à RFI o deputado petista Carlos Zarattini. Ele concorda com o colega do PL de que tudo aponta para um segundo turno entre Bolsonaro e Lula, mas acha que as demais candidaturas não devem ser tão numerosas.