PUBLICIDADE
Topo

Imprensa internacional repercute morte de Elza Soares: "uma das maiores vozes da música brasileira"

21/01/2022 09h08

Os principais jornais americanos e europeus desta sexta-feira (21) homenageiam a cantora e compositora Elza Soares. Ela faleceu em sua casa, no Rio de Janeiro, aos 91 anos, de "causas naturais", informou um comunicado divulgado por sua assessoria na quinta-feira (20).

Os principais jornais americanos e europeus desta sexta-feira (21) homenageiam a cantora e compositora Elza Soares. Ela faleceu em sua casa, no Rio de Janeiro, aos 91 anos, de "causas naturais", informou um comunicado divulgado por sua assessoria na quinta-feira (20).

"Elza Soares ultrapassou as fronteiras da música brasileira", afirma o jornal New York Times em manchete. "Com uma voz rouca comparada a de Louis Armstrong, ela foi uma das poucas mulheres negras no Brasil a aparecer em filmes nos anos 1960 e na televisão nos anos 1970", diz a matéria. 

O New York Times também destaca que, em uma época que era considerado "deselegante" discutir questões raciais e a pobreza, a sambista "permaneceu fiel a suas raízes". O diário lembra que Elza dizia em suas entrevistas nunca ter saído da favela e que costumava agradecer ao público por financiar "as migalhas de pão" para alimentar seus filhos. 

O correspondente do jornal britânico The Guardian no Rio de Janeiro, Tom Philipps, lembra de Elza como "uma das maiores cantoras brasileiras de todos os tempos". A matéria resgata a trágica infância da artista, forçada pelo pai a se casar aos 12 anos. Um ano depois, ela deu à luz sua primeira criança e perdeu a segunda para a fome, aos 15 anos. Mas, apesar de todas as dificuldades, Elza "floresceu para se tornar uma das artistas mais amadas do Brasil, gravando mais de 30 álbuns depois de sua carreira deslanchar no final dos anos 1950, no pico do movimento da Bossa Nova". 

Entre os fãs, a rainha Elizabeth II

A admiração pela cantora não tinha fronteiras e quebrou protocolos. The Guardian lembra que sua base de fãs incluía até o Palácio de Buckingham. Quando a rainha Elizabeth II visitou o Brasil, em 1968, Elza se apresentou para a monarca que "até acompanhou o ritmo batendo o pé", contava a própria artista. 

O jornal português Público classifica a sambista como "a rainha insubmissa" e "a voz da liberdade". O diário resgata uma entrevista de Elza em 2019. "Nasci pobre, negra, mulher. É difícil, mas a gente vence", disse ao Público na época. 

o jornal italiano La Reppublica salienta que a cantora foi considerada pela revista Rolling Stone como "uma das 100 maiores vozes do mundo". Apesar de ser lembrada por seu sucesso no samba, o diário ressalta que Elza era "uma artista de múltiplas facetas" e também fez sucesso com outros ritmos, como o jazz, funk, música eletrônica e hip-hop.

Homenagem da imprensa francesa

Quase toda a mídia francesa homenageia a cantora brasileira. Em uma longa matéria, a Franceinfo lembra que muito mais que uma artista, "Elza Gomes da Conceição Soares se tornou um símbolo de resistência e coragem até o final de sua vida". 

O texto destaca o sucesso que atravessou gerações e elogia "A Mulher do Fim do Mundo", álbum lançado em 2015. "O disco trata de racismo, machismo, da violência contra as mulheres, conhecendo um sucesso imenso e recompensado pelo Grammy latino do melhor álbum de música brasileira", afirma. 

O jornal Le Monde enfatiza a carreira de mais de 60 anos de Elza, "a diva da música brasileira". O diário francês lembra que o engajamento político da artista não diminuiu ao longo dos anos.

Nos últimos tempos, Elza criticava abertamente a ascensão do conservadorismo no Brasil, as igrejas neopentecostais e os graves problemas de racismo do qual o Brasil é palco. A morte da cantora, "símbolo de resistência e coragem", é "um triste dia para o Brasil", conclui a matéria.