PUBLICIDADE
Topo

Alemanha processará quem usar a letra "Z" em público, símbolo de apoio à invasão russa

26/03/2022 16h33

Duas grandes regiões alemãs, Baviera e Baixa Saxônia, revelaram querer processar qualquer pessoa que use a letra "Z" em público, um símbolo de apoio à guerra liderada pela Rússia de Vladimir Putin contra a Ucrânia.

Duas grandes regiões alemãs, Baviera e Baixa Saxônia, revelaram querer processar qualquer pessoa que use a letra "Z" em público, um símbolo de apoio à guerra liderada pela Rússia de Vladimir Putin contra a Ucrânia.

As pessoas que "expressam publicamente sua aprovação da guerra de agressão do presidente russo, Putin, contra a Ucrânia usando este símbolo 'Z' devem esperar consequências criminais", afirmou o ministro do Interior da Baixa Saxônia, Boris Pistorius, em um comunicado.

Estes simpatizantes do Kremlin que usam um "Z" em público "devem saber que podem ser processados ??por terem tolerado crimes", advertiu, entretanto, o ministro da Justiça do Land da Baviera, Georg Eisenreich, em uma mensagem. A Baviera (ao sul) e a Baixa Saxônia (norte) são os dois maiores estados regionais do país em área.

Desde o início da guerra contra a Ucrânia, um "Z" branco é exibido nos tanques e uniformes das forças de invasão russas. Desde então, este sinal foi recusado no espaço público, na Rússia, mas também fora do país e da zona de guerra, sendo exibido "em edifícios, carros ou roupas", explica o ministério na Baixa Saxônia.

Que este também seja o caso nesta região da Alemanha. Durante manifestações, por exemplo, é "absolutamente incompreensível" e visa "endossar esses crimes", acrescentou Pistorius.

"A liberdade de expressão termina onde começa o direito penal"

"Todos podem expressar sua opinião na Alemanha", mas "a liberdade de expressão termina onde começa o direito penal", enfatizou o ministro, cuja decisão gerou as instruções aos promotores públicos na Baviera.

O código penal alemão pune com penas de até três anos de prisão e multa pecuniária qualquer pessoa que demonstre aprovação pública de guerras de agressão, susceptíveis de perturbar a ordem pública.

(Com informações da AFP)