PUBLICIDADE
Topo

Ex-presidente do Louvre é indiciado por tráfico de antiguidades egípcias

26/05/2022 10h40

A Justiça francesa está à procura dos responsáveis pelo tráfico de dezenas de obras antigas de países do Oriente Médio. Uma delas é uma estela de granito rosa - o monumento funerário de Tutancâmon -, adquirida pelo Louvre de Abu Dhabi antes da legalidade de sua origem ser questionada. Um especialista em antiguidades e um dono de galeria também estão na mira das autoridades francesas.

A Justiça francesa está à procura dos responsáveis pelo tráfico de dezenas de obras antigas de países do Oriente Médio. Uma delas é uma estela de granito rosa - o monumento funerário de Tutancâmon -, adquirida pelo Louvre de Abu Dhabi antes da legalidade de sua origem ser questionada. Um especialista em antiguidades e um dono de galeria também estão na mira das autoridades francesas.

O ex-presidente e diretor do museu do Louvre, Jean-Luc Martinez, foi acusado na quarta-feira (25) em Paris de "lavagem de dinheiro e cumplicidade em fraude organizada", em um inquérito que investiga o tráfico de antiguidades do Oriente Médio.

Martinez foi preso na segunda-feira (23) nos escritórios do Departamento Central de Combate ao Tráfico de Propriedade Cultural da França (OCBC), juntamente com dois importantes egiptólogos franceses.

Ambos os especialistas foram liberados sem serem indiciados. Já o diretor-presidente do museu francês foi acusado de "cumplicidade em fraudes com gangues organizadas e lavagem de dinheiro para facilitar a transferência de bens de um crime ou delito", de acordo com fontes judiciais.

De acordo com o jornal francês Le Canard Enchaîné, que anunciou as prisões, os investigadores estão tentando determinar se Martinez "fez vista grossa" à falsificação de certificados de origem de cinco antiguidades egípcias, incluindo a estela de granito rosa de Tutancâmon, adquirida pelo Louvre em Abu Dhabi "por várias dezenas de milhões de euros" e datada de 1327 a.C.

Jean-Luc Martinez, diretor do Louvre de 2013 a 2021, é atualmente o embaixador francês para a cooperação internacional em defesa do patrimônio.

Um sarcófago retornou ao Egito

A Jurisdição Nacional de Combate ao Crime Organizado (Junalco) do Ministério Público de Paris abriu uma investigação preliminar em julho de 2018 sobre um suposto tráfico de antiguidades de países do Oriente Médio.

Este tráfico diz respeito a centenas de peças e valeria várias dezenas de milhões de euros, de acordo com fontes próximas.

Pelo menos três outras pessoas estão sendo processadas por "fraude de quadrilha organizada, associação ilícita e lavagem de dinheiro de quadrilha organizada" neste caso.

Um especialista em arqueologia mediterrânea e seu marido foram formalmente acusados em junho de 2020 e colocados sob controle judicial. Eles são acusados de ter "lavado" artefatos arqueológicos saqueados em vários países assolados pela instabilidade desde o início dos anos 2010 e o surgimento da primavera árabe, como Egito, Líbia, Iêmen e Síria.

Um dono de galeria germano-libanesa também foi detido novamente em março passado. A OCBC está tentando determinar as condições sob as quais o Louvre Abu Dhabi, através deste proprietário da galeria, adquiriu cinco antiguidades ilegalmente retiradas do Egito, de acordo com o Canard Enchaîné.

Um dos especialistas sob exame dos juízes no caso do tráfico da estela egípcia havia certificado a proveniência de um sarcófago dourado do sacerdote egípcio Nedjemankh. O especialista alegou que o trabalho, avaliado em ? 3,5 milhões, foi legalmente retirado do Egito em 1971.

Segundo o diário francês Le Monde, uma investigação conjunta dos Estados Unidos, França, Alemanha e Egito revelou, entretanto, que o sarcófago havia sido roubado em 2011 em meio a uma revolta popular contra o então ditador Hosni Mubarak. O trabalho foi finalmente devolvido ao Egito em 2019.

(Com informações da AFP)