Morre aos 92 anos a atriz francesa Anouk Aimée, de "Um Homem e uma Mulher"

Ela encarnou o ideal feminino em "Um Homem e uma Mulher", cujo famoso refrão - "dabada-bada"- da música tema deu a volta ao mundo. A atriz francesa Anouk Aimée morreu, nesta terça-feira (18) aos 92 anos.

"Sou muito feminina e ser mulher é uma força incrível", disse a francesa que adquiriu fama internacional com o filme Palma de Ouro 1966 de Claude Lelouch em Cannes, um Globo de Ouro de melhor atriz e uma indicação ao Oscar.

Ela se reuniu com o colega Jean-Louis Trintignant em "Os Melhores Anos de uma Vida" em 2019 para um reencontro orquestrado pelo diretor, onde o melancólico refrão "dabada-bada badaba-daba" ainda ressoava, distorcido na memória coletiva em "chabada-bada."

Durante sua longa carreira, Anouk Aimée trabalhou com grandes nomes do cinema, como Bernardo Bertolucci, Vittorio de Sica, André Delvaux, George Cukor e Robert Altman. Ela foi uma "Lola" inesquecível para Jaques Demy e uma mulher misteriosa para Federico Fellini em "La Dolce vita" e "Oito e Meio".

Em 2003, recebeu um Urso de Ouro em Berlim por todo o seu trabalho. Em 2006, o Festival de Cinema de Cannes prestou-lhe homenagem. Ela ganhou o Prêmio de Melhor Atriz em 1980 por "Salto no Vazio", de Marco Bellocchio.

"Mulher livre"

Anouk Aimée dizia preferir filmar com homens, "mas se Jeanne Moreau me propor, aceito na hora".

Ela foi casada com o cineasta Nico Papatakis, com quem teve uma filha, com o cantor e compositor Pierre Barouh (coautor, com o músico Francis Lai, de "dabada-bada badaba-daba") e com o ator britânico Albert Finney.

Nascida em 27 de abril de 1932 em Paris, Françoise Dreyfus, filha de atores, adotou o nome Anouk após seu primeiro papel em "La Maison sous la mer" de Henri Calef (1947), aos 13 anos. Seguindo uma sugestão de Jacques Prévert em outra filmagem, ela adotou o sobrenome Aimée.

Continua após a publicidade

Foi protagonista em 1949 em "Os Amantes de Verona", de André Cayatte, estrelando em seguida filmes como "A Cortina Carmesim" (Alexandre Astruc), "O Homem que Via Passar os Trens" (Harold French), "A Mulher dos Outros" (Julien Duvivier) e "Montparnasse 19" (Jacques Becker).

Aimée filmou ainda com Robert Altman, George Cukor, Sidney Lumet e muitos outros em mais de 80 filmes. Ela chegou a recusar o papel interpretado por Faye Dunaway, ao lado de Steve McQueen, em "The Thomas Crown Affair" (1968), de Norman Jewison. "Me ofereceram tantas coisas, fiquei tonta, não sabia mais", disse a atriz.

Comprometida com a causa ambiental e dos animais, Anouk Aimée vivia na sua casa parisiense em Montmartre, com muitos filmes e rodeada de cães e gatos.

Deixe seu comentário

Só para assinantes