Casos de queimaduras graves crescem no Brasil durante período de festas juninas

Acidentes com fogos de artifício e fogueiras são comuns durante as festas de São João, alerta a cirurgiã Suzy Vieira, membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica. Segundo dados do Governo do Estado de São Paulo, o número de acidentes relacionados ao período vem crescendo e subiu cerca de 63% em 2023.

O período de festas juninas é propício para os acidentes com combustíveis, usados para acender as fogueiras. Mas há também os incidentes que ocorrem na hora de soltar os fogos. "As queimaduras causadas pelos fogos de artifício são provocadas pelas chamas ou pela pólvora. Elas aumentam durante as festas juninas e queimam não apenas quem está soltando os fogos, mas também outros que estão em volta. As pessoas que estão próximas também acabam sendo atingidas pela explosão", ressalta a cirurgiã. 

A incidência cresce em todo o país no mês de junho, destaca a especialista. "Nessa época, o número de atendimentos aumenta bastante. Existe, inclusive, em alguns hospitais, centros de tratamento de queimaduras reservados para os casos mais graves, que atingem mais de 30% do corpo e demandam cuidados especiais".

De acordo com Suzy Vieira, é comum os pacientes vítimas de queimaduras graves precisarem ficar internados e se submeterem a várias cirurgias. Muitas vezes, os curativos também precisam ser realizados e trocados em um centro cirúrgico, em função da dor do paciente.

Nas queimaduras que ocorrem durante as festas juninas, as partes do corpo mais atingidas são, em geral, o rosto e os membros inferiores e superiores. "Elas atingem a roupa e podem se tornar ainda mais profundas e graves. Nesse caso, o ferimento se espalha e queima outras partes que inicialmente não haviam sido atingidas", diz. 

"Por isso é importante despir a pessoa que esteja com a queimadura. Por exemplo, se ela é atingida por um líquido quente ou por um ácido, e se ele fica na roupa, terá um contato mais prolongado com a pele e a queimadura será ainda mais profunda e grave", alerta.

Projeto de lei quer proibir fogos que façam barulho

As vítimas, diz, são de diferentes faixas etárias. "Já atendi famílias inteiras que chegam queimadas porque uma pessoa foi soltar o rojão, o rojão queimou, atingiu quem estava do lado, a mãe foi ajudar e estava de meia calça e queimou também", descreve.

A Lei de Crimes Ambientais no Brasil, de 1998, proíbe a fabricação, venda e uso dos balões de ar, usados antigamente nas festas juninas, que provocavam incêndios e geravam muitos acidentes. O desrespeito à norma é passível de um a três anos de prisão ou multa. Em relação aos fogos de artifício, alguns Estados e municípios adotam a proibição de fogos com estampido que façam barulho. 

Continua após a publicidade

Um projeto de lei de 2022 que tramita na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania do Senado prevê que essa proibição se estenda a todo o território nacional.  "Existe também uma legislação que exige que as lojas sejam afastadas e sejam dotadas dos equipamentos para controle do fogo. Mas, infelizmente, essa legislação não é cumprida como deveria", lamenta a cirurgiã brasileira.

Deixe seu comentário

Só para assinantes