UOL Últimas NotíciasUOL Últimas Notícias
UOL BUSCA


 

07/01/2006 - 21h20
Comandante brasileiro da ONU no Haiti é achado morto

Por Joseph Guyler Delva

PORTO PRÍNCIPE/BRASÍLIA (Reuters) - O general brasileiro que comandava a missão de paz da Organização das Nações Unidas (ONU) no Haiti foi encontrado morto em um quarto de hotel do país neste sábado e há informações conflitantes sobre as circunstâncias de sua morte.

Segundo a ONU, o general Urano Teixeira da Matta Bacellar teria se matado no hotel Montana, em Porto Príncipe. Um assessor de informações da força brasileira no Haiti afirmou, contudo, que a morte foi causada por um "acidente com arma de fogo", de acordo com a Agência Brasil.

Já uma nota oficial do Exército disse que ele está "acompanhando o trabalho de investigação policial" sobre o caso.

Um representante do Centro de Comunicação Social do Exército declarou à Reuters que "só depois das apurações policiais é que poderemos dizer com certeza o que aconteceu e...tomar as providências sobre o traslado do corpo".

Bacellar, 58, substituiu em agosto passado o general Augusto Heleno Pereira no comando da força da ONU no Haiti, que conta com 9 mil militares.

Uma nota da secretaria de imprensa da Presidência da República afirmou que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva manifestou "profundo pesar" pela morte de Bacellar e que orientou o Ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, a expressar ao secretário-geral das Nações Unidas, Kofi Annan, a expectativa do governo brasileiro de que a ONU "conduza imediata e ampla investigação" sobre a morte do brasileiro.

Ainda segundo o comunicado, o presidente determinou que uma equipe seja enviada imediatamente ao Haiti e reafirmou a "determinação do governo brasileiro de continuar apoiando o povo haitiano na construção da paz e normalização política" do país.

Um porta-voz do secretário-geral da ONU afirmou que Annan está "chocado e triste" com a morte de Bacellar e que uma investigação está em andamento.

FAB BUSCA CORPO DE BACELLAR NO DOMINGO

Um avião da Força Aérea Brasileira (FAB) deve trazer para o Brasil no domingo o corpo de Bacellar, segundo a Agência Brasil. O avião partirá no mesmo dia para o Haiti com representantes do governo que acompanharão as investigações sobre a morte do general.

O chefe do Departamento de América do Norte e Caribe do Ministério das Relações Exteriores, Gonçalo Mello Mourão, embarcou neste sábado para o país.

É o segundo brasileiro morto fora do país em atividades das Nações Unidas em cerca de dois anos e meio. O ataque de um caminhão-bomba no dia 19 de agosto de 2003 a um hotel que sediava uma missão da ONU no Iraque feriu 150 pessoas e matou 22, entre elas o chefe da missão, o brasileiro Sérgio Vieira de Mello.

PAÍS EM CONFLITO

De acordo com testemunhas, o general estava vestido com shorts e uma camiseta branca quando foi localizado e sua arma foi encontrada perto de seu corpo no hotel onde morava.

"É devastador ver uma general tão bom e honrado morto em circustâncias assim", disse o embaixador brasileiro no Haiti, Paulo Cordeiro de Andrade Pinto, quando deixava o hotel.

Natural de Bagé (RS), Bacellar ocupou até recentemente o posto de subchefe do Estado-Maior do Exército, em Brasília. O nome dele para o cargo no Haiti foi indicado pelo Comando do Exército brasileiro.

O Brasil foi escolhido para chefiar a Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti (Minustah) e mantém um efetivo no país desde maio de 2004.

Em fevereiro de 2004, o então presidente haitiano, Jean-Bertrand Aristide, fugiu do país em meio a uma revolta popular e pressões dos EUA e da França para que renunciasse.

Depois disso, o país entrou em um período de violência maior e ainda não conseguiu realizar eleições para um novo governo.

As autoridades interinas do Haiti culparam a missão da ONU e a Organização dos Estados Americanos (OEA) pelos diversos atrasos no pleito, originalmente marcado para novembro, acusação que ambos os órgãos rejeitam. A nova data para as eleições deve ser em fevereiro.

Segundo o site da Agência Brasil, a Minustah iniciou na última quinta-feira uma série de ações militares em Porto Príncipe e arredores para reestabelecer a segurança e possibilitar um bom andamento das eleições.

ÍNDICE DE ÚLTIMAS NOTÍCIAS  IMPRIMIR  ENVIE POR E-MAIL

Folha Online
Reforma visual da Folha facilita a leitura; conheça as mudanças
UOL Esporte
Após fiasco de público, CBF reduz preços de ingressos para partida
UOL Economia
Bovespa reduz ritmo de perdas
perto do fim dos negócios

UOL Tecnologia
Fãs do iPhone promovem encontro no Brasil; veja mais
UOL Notícias
Chuvas deixam quatro mortos e afetam mais de 4 mil no Paraná
UOL Vestibular
Cotista tem nota parecida com de não-cotista aponta Unifesp
UOL Televisão
Nova novela da Record terá máfia e Gabriel Braga Nunes como protagonista
UOL Música
Radiohead entra em estúdio para trabalhar em disco novo
UOL Diversão & Arte
Escritor indiano Aravind Adiga ganha o Booker Prize
UOL Cinema
Novo filme dos irmãos
Coen tem maior bilheteria nos EUA