UOL Últimas NotíciasUOL Últimas Notícias
UOL BUSCA


 

03/03/2006 - 19h14
Barbie pode ser arruinada pela boneca Bratz

Por Julie Charpentrat NOVA YORK, 3 mar (AFP) - A famosa Barbie está em perigo: há três anos as vendas da boneca vêm caindo vertiginosamente nos mercados americanos, levando junto os lucros de seu fabricante, a Mattel, por causa do sucesso de sua rival Bratz.

As vendas da boneca magricela mais famosa do mundo baixaram 13% em 2005, repetindo os resultados de 2003 e 2004.

"2005 foi um ano difícil para a Mattel devido à queda das vendas da marca Barbie que anulou os ganhos obtidos por outros produtos do segmento", explicou o diretor da companhia, Robert Eckert, que anunciou no fim de janeiro um lucro líquido anual em queda, mas ainda de 417 milhões de dólares.

O produto estrela da Mattel vem enfrentando dificuldades desde 2000, afirma Sean McGowan, analista especializado da corretora Harris Nesbitt.

Segundo analistas, a culpada por esta decadência chama-se Bratz. "A Barbie talvez tenha se enfraquecido definitivamente pela forte concorrência com Bratz", diz Hal Diamond, analista da Standard and Poor's.

A série foi lançada em 2001 pela MGA Entertainement, pequena sociedade com sede na Califórnia (oeste dos Estados Unidos) que emprega 550 pessoas diante das 25.000 que trabalham na Mattel.

A Bratz acelerou a falência da Barbie, que até então detinha 90% do mercado de bonecas de tipo, explica McGowan.

Hoje, a Barbie tem entre 30% e 35% do mercado", calcula, pois as próprias empresas não querem disponibilizar estes dados.

McGowan avalia o faturamento da MGA em 750 milhões de dólares e um lucro de entre 200 e 250 milhões de dólares antes de impostos.

Dave Malacrida, responsável pela comunicação da MGA, se limita a dizer que a marca Bratz --produtos fabricados por MGA e as licenças Bratz-- representa 2 trilhões de dólares no mundo.

"Já está na hora de a Barbie se aposentar", diz o diretor da MGA Entertainement, Isaac Larian, em entrevista publicada pelo New York Times.

"A Bratz parece mais jovem, está mais na moda e, além disso, as meninas mais novas podem ter uma boneca diferente da de suas irmãs maiores", segundo McGowan.

Com a cabeça desproporcional e olhos esbugalhados, a Bratz lembra as meninas de desenhos animados japoneses.

As Bratz, que é fabricada em cerca de 30 versões (Cloe, Jade, Yasmin, etc.

), são muito maquiadas e geralmente usam vestidos muito curtos, camisetas sobre casacos, minissaias coloridas e botas de salto alto.

Para tentar enfrentar a concorrência, a Mattel lançou dois tipos de bonecas, as MyScene em 2002 e as Flavas em 2003, que se parecem tanto com as Bratz que a MGA processou a rival em abril de 2005.

Mês passado, a Mattel dizia que a "Barbie continuava sendo sua boneca número um das meninas em 2005", segundo um estudo do grupo de pesquisa NPD.

Mas o que a Mattel não mencionou é que, segundo a NPD, a Bratz vendeu mais que a Barbie no Natal.

A tentativa mais recente da Mattel de recuperar seus lucros foi a atualização do namorado da Barbie, que o grupo havia parado de comercializar em 2004. O Ken voltou às lojas nesta semana com o cabelo mais longo, calças de caowboy lavadas e acessórios em couro. Resta saber se ele será capaz de reconquistar o coração da Barbie para devolver-lhe o brilho e o sucesso em vendas...

ÍNDICE DE ÚLTIMAS NOTÍCIAS  IMPRIMIR  ENVIE POR E-MAIL

Folha Online
Reforma visual da Folha facilita a leitura; conheça as mudanças
UOL Esporte
Após fiasco de público, CBF reduz preços de ingressos para partida
UOL Economia
Bovespa reduz ritmo de perdas
perto do fim dos negócios

UOL Tecnologia
Fãs do iPhone promovem encontro no Brasil; veja mais
UOL Notícias
Chuvas deixam quatro mortos e afetam mais de 4 mil no Paraná
UOL Vestibular
Cotista tem nota parecida com de não-cotista aponta Unifesp
UOL Televisão
Nova novela da Record terá máfia e Gabriel Braga Nunes como protagonista
UOL Música
Radiohead entra em estúdio para trabalhar em disco novo
UOL Diversão & Arte
Escritor indiano Aravind Adiga ganha o Booker Prize
UOL Cinema
Novo filme dos irmãos
Coen tem maior bilheteria nos EUA