UOL Últimas NotíciasUOL Últimas Notícias
UOL BUSCA


 

29/07/2006 - 11h55
Para Bush, crise no Líbano é parte de uma luta maior

WASHINGTON (Reuters) - O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, afirmou no sábado que a guerra no Líbano é parte de uma luta maior contra o terrorismo e disse que uma estratégia para acabar com a violência na região deve ter como alvo a ameaça representada pelo Hizbollah.

Em meio à crescente preocupação com as mortes de civis no conflito entre Israel e as guerrilhas do Hizbollah, a secretária de Estado norte-americana, Condoleezza Rice, foi enviada a Israel para discutir os termos de uma proposta de resolução do Conselho de Segurança das Nações Unidas para negociar uma trégua.

Um dia após Bush e o primeiro-ministro britânico, Tony Blair, terem anunciado que tentariam aprovar a resolução na próxima semana, o presidente dos EUA usou seu programa de rádio semanal para destacar seus objetivos.

"Conforme trabalhamos para resolver a atual crise, devemos reconhecer que o Líbano é o último acontecimento em uma luta maior entre a liberdade e o terrorismo que está se estendendo pela região", disse Bush.

Bush e Blair concordaram que deveria ser formada rapidamente uma força internacional para o Líbano, para acelerar a chegada de ajuda a milhares de refugiados libaneses e ajudar a estabilizar a fronteira.

"Vamos trabalhar com nossos aliados para adotar uma resolução que estabilize uma estrutura para acabar rapidamente com a violência, e ordenar a força multinacional", afirmou.

"Esta abordagem vai demonstrar a determinação da comunidade internacional para apoiar o governo do Líbano, e derrotar a ameaça do Hizbollah e seus patrocinadores estrangeiros", acrescentou.

Pelo menos 469 pessoas, a maioria civis, foram mortas no Líbano desde que o conflito foi iniciado, em 12 de julho, quando o Hizbollah capturou dois soldados israelenses.

O Hizbollah, que quer trocar os soldados por prisioneiros libaneses e palestinos mantidos em Israel, matou 51 israelenses, 18 deles civis.

Bush culpa o Hizbollah e seus patrocinadores Irã e Síria pela violência.

Mas a crise, que ocorre em meio a uma escalada da violência sectária no Iraque, colocou Bush na defensiva a respeito de sua agenda de política externa de tentar disseminar a liberdade no Oriente Médio.

(Por Caren Bohan)

ÍNDICE DE ÚLTIMAS NOTÍCIAS  IMPRIMIR  ENVIE POR E-MAIL

Folha Online
Reforma visual da Folha facilita a leitura; conheça as mudanças
UOL Esporte
Após fiasco de público, CBF reduz preços de ingressos para partida
UOL Economia
Bovespa reduz ritmo de perdas
perto do fim dos negócios

UOL Tecnologia
Fãs do iPhone promovem encontro no Brasil; veja mais
UOL Notícias
Chuvas deixam quatro mortos e afetam mais de 4 mil no Paraná
UOL Vestibular
Cotista tem nota parecida com de não-cotista aponta Unifesp
UOL Televisão
Nova novela da Record terá máfia e Gabriel Braga Nunes como protagonista
UOL Música
Radiohead entra em estúdio para trabalhar em disco novo
UOL Diversão & Arte
Escritor indiano Aravind Adiga ganha o Booker Prize
UOL Cinema
Novo filme dos irmãos
Coen tem maior bilheteria nos EUA