UOL Últimas NotíciasUOL Últimas Notícias
UOL BUSCA


 

10/11/2006 - 17h11
PF vai ouvir tesoureiro da campanha de Lula sobre dossiê

Por Áureo Germano

Alan Marques 14.set.2006/ Folha Imagem
José de Filippi Jr., tesoureiro da campanha de Lula
BRASÍLIA (Reuters) - A Polícia Federal vai ouvir nos próximos dias o depoimentos de José de Filippi Jr, que administrou as finanças do comitê à reeleição do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, no inquérito que investiga tentativa de compra de um dossiê com informações contra candidatos do PSDB.

Segundo informou à Reuters um delegado ligado à apuração, a PF também vai ouvir, no mesmo caso, José Giácomo Baccarin, que atuou como coordenador financeiro na campanha do senador Aloizio Mercadante (PT) ao governo de São Paulo.

Os investigadores do caso, segundo esse delegado, consideram necessário ouvir os tesoureiros a respeito da possibilidade de que parte dos dinheiro que seriam utilizados na transação tenha saído dos caixas desses comitês.

"O dinheiro foi apreendido com pessoas que, inegavelmente, tinham alguma relação com essas campanhas e não podemos descartar essa linha de apuração", justificou a fonte sob a condição do sigilo de sua identidade.

No dia 15 de setembro, a PF apreendeu cerca de 1,7 milhão de reais em poder de Gedimar Passos e Valdebran Padilha --ambos ligados ao PT-- em um hotel localizado na capital paulista.

Os recursos seriam utilizado para a compra de documentos contra tucanos reunidos pelo empresário Luiz Antônio Vedoin acusado de ser o chefe da chamada máfia das ambulâncias, investigada por desvios de recursos da saúde.

Pelas investigações realizadas pela PF, o montante teria chegado até o hotel por intermédio de Hamilton Lacerda, ex-coordenador da campanha de Mercadante, transportado dentro de uma sacola que, posteriormente, foi apreendida com Gedimar.

De acordo com o policial, Filippi Júnior, que é prefeito da cidade paulista de Diadema, será ouvido em função dos recursos terem sido encontrados com Gedimar.

Policial federal aposentado, Gedimar trabalhava no comitê de campanha de Lula em Brasília, sob o comando de Jorge Lorenzetti, responsável justamente pela área de análise de Risco e Mídia do comitê.

"É muito pouco provável que esse dinheiro seja do Gedimar ou de Valdebran", ponderou o delegado.

Já Giácomo Baccarin, primeiro suplente de Mercadante, deverá prestar depoimento em função de sua provável proximidade com Hamilton Lacerda, considerando que ambos atuavam no comitê do senador.

De acordo com a mesma fonte, a PF já constatou indícios da prática de diversos crimes na tentativa de negociação do dossiê. Dentre eles, crimes contra o sistema financeiro, como lavagem de dinheiro, por exemplo.

A análise criminal do processo caminha nesta fase da investigação para identificação de eventual prática de crime eleitoral.

"Não podemos descartar a possibilidade de que a lei eleitoral tenha sido violentada durante essa tentativa de negociação", finalizou.

ÍNDICE DE ÚLTIMAS NOTÍCIAS  IMPRIMIR  ENVIE POR E-MAIL

Folha Online
Reforma visual da Folha facilita a leitura; conheça as mudanças
UOL Esporte
Após fiasco de público, CBF reduz preços de ingressos para partida
UOL Economia
Bovespa reduz ritmo de perdas
perto do fim dos negócios

UOL Tecnologia
Fãs do iPhone promovem encontro no Brasil; veja mais
UOL Notícias
Chuvas deixam quatro mortos e afetam mais de 4 mil no Paraná
UOL Vestibular
Cotista tem nota parecida com de não-cotista aponta Unifesp
UOL Televisão
Nova novela da Record terá máfia e Gabriel Braga Nunes como protagonista
UOL Música
Radiohead entra em estúdio para trabalhar em disco novo
UOL Diversão & Arte
Escritor indiano Aravind Adiga ganha o Booker Prize
UOL Cinema
Novo filme dos irmãos
Coen tem maior bilheteria nos EUA