UOL Últimas NotíciasUOL Últimas Notícias
UOL BUSCA


 

26/04/2007 - 13h39
ESTRÉIA - "Minha Mãe Quer que Eu Case" é comédia com pouco charme

Divulgação

Diane Keaton e Mandy Moore, mãe e fillha no filme

Diane Keaton e Mandy Moore, mãe e fillha no filme

SÃO PAULO (Reuters) - "Minha Mãe Quer que Eu Case", que estréia em todo o país nesta sexta-feira, segue à risca o manual das comédias românticas, com todos os ingredientes conhecidos: lágrimas, risos, beijos e abraços que pavimentam o caminho rumo ao encontro com o amor.

As quatro personagens centrais, que falam abertamente sobre relacionamento e sexo, não são apenas amigas, mas mãe e três filhas. Com toda essa intimidade, a matriarca Daphne (Diane Keaton) não se envergonha de se intrometer na vida da caçula, Milly (Mandy Moore).

Como as irmãs mais velhas já estão bem casadas, a mãe acredita que precisa arrumar rapidamente um marido para a filha solteira.

Para conseguir seu objetivo, ela chega a colocar anúncio na Internet, entrevista os mais diversos e estranhos candidatos, até encontrar o rapaz que ela julga ser o melhor pretendente, o arquiteto Jason (Tom Everett Scott).

Os dois armam um plano para seduzir Milly. Só que não contam com o fato de que a própria moça não está parada à espera do príncipe encantado.

Ela conhece Johnny (Gabriel Macht), um músico boêmio mas bem comportado. Fica claro para qualquer pessoa, principalmente para o público, qual será a escolha da filha.

Daphne insiste e Milly acaba cedendo. Envolve-se com os dois rapazes, para descobrir com qual quer ficar. O diretor Michael Lehmann ("40 Dias e 40 Noites") não é nem um pouco sutil e deixa claro, pelas situações criadas ao longo do filme, que Johnny é o "cara certo para fazer Milly feliz".

Quando a garota está com seus pretendentes, o músico sempre se sai melhor: é o mais compreensivo e amoroso, qualidades dos perfeitos galãs de comédias românticas.

A mensagem nas entrelinhas de "Minha Mãe Quer Que Eu Case" é que a mulher só se completa quando está bem casada. Para Daphne, não importa o quanto a filha seja bem-sucedida na profissão ou como ser humano. Aos olhos da mãe, sem um homem e uma aliança, a garota não está completa.

(Por Alysson Oliveira, do Cineweb)

ÍNDICE DE ÚLTIMAS NOTÍCIAS  IMPRIMIR  ENVIE POR E-MAIL

Folha Online
Reforma visual da Folha facilita a leitura; conheça as mudanças
UOL Esporte
Após fiasco de público, CBF reduz preços de ingressos para partida
UOL Economia
Bovespa reduz ritmo de perdas
perto do fim dos negócios

UOL Tecnologia
Fãs do iPhone promovem encontro no Brasil; veja mais
UOL Notícias
Chuvas deixam quatro mortos e afetam mais de 4 mil no Paraná
UOL Vestibular
Cotista tem nota parecida com de não-cotista aponta Unifesp
UOL Televisão
Nova novela da Record terá máfia e Gabriel Braga Nunes como protagonista
UOL Música
Radiohead entra em estúdio para trabalhar em disco novo
UOL Diversão & Arte
Escritor indiano Aravind Adiga ganha o Booker Prize
UOL Cinema
Novo filme dos irmãos
Coen tem maior bilheteria nos EUA